Fórum NS - Discussões sobre animes, mangás e mais!
Bem vindo ao maior fórum de animes de Brasil & Portugal!

Não deixe de registrar sua conta para poder participar do fórum! Leia nossa POLÍTICA DE PRIVACIDADE e configure suas opções de privacidade: https://www.forumnsanimes.com/privacy (ao acessar nosso site, você aceita nossas políticas de privacidade)

Poste 5 mensagens no fórum para ativar o seu primeiro rank e começar sua jornada! Aqui, você irá fazer amigos, participar de eventos, subir de rank e até ganhar prêmios!

Fórum NS - Discussões sobre animes, mangás e mais!
Bem vindo ao maior fórum de animes de Brasil & Portugal!

Não deixe de registrar sua conta para poder participar do fórum! Leia nossa POLÍTICA DE PRIVACIDADE e configure suas opções de privacidade: https://www.forumnsanimes.com/privacy (ao acessar nosso site, você aceita nossas políticas de privacidade)

Poste 5 mensagens no fórum para ativar o seu primeiro rank e começar sua jornada! Aqui, você irá fazer amigos, participar de eventos, subir de rank e até ganhar prêmios!

Fórum NS - Discussões sobre animes, mangás e mais!
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Fórum NS - Discussões sobre animes, mangás e mais! Entrar

Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

+8
Comando Omega
Atlas Titan
Joker
Paçoca do Mato
Ben Ikneg
Rin
Allan 900
L⍱scivi⍱
12 participantes

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyAté onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Ontem pela manhã estive com meu irmão conversando um monte de baboseiras, falando sobre momentos vergonhosos ou dos tipos de pintos que a gente acha feio, até que relembramos um caso bem triste de quando eramos adolescentes (eu era praticamente uma criança).

Lá no início dos anos 90, um conhecido de longa data do meu pai havia perdido o único filho, que fora acidentalmente atropelado por um senhor muito respeitado na cidade onde a minha família morava. Lembro de ter sido muito comentado, na época, que o senhor chegou a se encontrar com o pai do rapaz que morreu para conversar e perdir perdão, mas que o pai do rapaz, apesar de não ter lhe feito nenhum mal, disse que só teria paz no coração quando fizesse o outro sentir a mesma dor que ele tava passando. Com a família jurada de morte, sabe-se que o senhor enviou a família quase toda para um outro estado, mas ao passar de cinco anos quando tudo parecia ter sido uma ameaça da boca pra fora, ele teve uma das netas assassinada por um matador de aluguel.

Pouco depois a minha família se mudou de cidade e meu pai não comenta muito mais sobre, então não posso dizer que outras implicações tiveram essa história. Só que desde ontem essa história ficou na minha mente com o seguinte questionamento, até onde o sentimento de vingança ou o ato propriamente dito pode ser considerado legítimo?


Última edição por L⍱scivi⍱ em Seg 8 Ago - 11:39, editado 1 vez(es)

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
olho por olho dente por dente

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Esse seu exemplo não é uma vendeta legítima por si só. E a razão é simples: a neta do motorista não tinha nada a ver com o que ele fez. Uma vingança legítima seria matar o motorista, não a neta.

Não há razoabilidade em se vingar de pessoas aquém ao culpado. O pai cometeu um crime absurdo contra a proporcionalidade, envolver pessoas não culpadas não é vingança, é assassinato sem pretexto.

De qualquer maneira, ao ponto mais interessante do tópico: que porra é essa de tipos de pinto?
:aliens:

Eu sabia que existiam tipos de vagina, mas de pinto não.
:aliens:

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
O ser humano é vingativo por natureza e não existe como resolver esse problema... Mas numa sociedade envolvendo vários seres humanos como a nossa, nenhuma forma de vingança feito pelas próprias mãos que envolva morte ou danos severos é legitimo, ainda mais quando um inocente está sendo envolvido, uma pessoa que consegue matar ou torturar um outro individuo sem ter medo de consequências precisa ser isolado da sociedade para não existir um ciclo infinito de vinganças e mais vitimas sejam feitas.

Além dessa mulher supostamente ter morrido por uma vingança que ela não tinha nada haver, o cara que vestiu a máscara de vingador pode achar que a vingança não foi o suficiente e ir atrás de causar mais dano, simplesmente por achar que "ele" deveria sofrer mais.

Além de várias pessoas acabarem sendo envolvidas, pode ocorrer o famoso ciclo de vingança onde ambos lados e pessoas envolvidas vão ficar mantendo essa vingança e ódio até não poder mais... Resumo da história, é entendível o desejo de querer se vingar, mas no final, vingança é movido apenas por emoções, não resolve muita coisa e pode apenas criar mais vitimas.

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
@L⍱scivi⍱ nunca é... a Vingança nunca é legitima e nunca é feita por justiça, ela é feita pra nos fazer sentir melhor.

Não vou ser hipocrita, e dizer que se alguem assassinasse aqueles que amo, que eu não me sentiria com desejo de vingança, ou até cogitasse a fazer o mesmo. Mas pra mim, quem comete Vingança tem que estar preparado para as consequências que virão. Por exemplo, vamos a um caso mais serio. Um idoso de 69 anos matou o assassino do seu filho. O assassino discutiu com o filho desse homem (46 anos) em um bar, e deu varios tiros nele, matando o homem. Seu pai, um idoso de 69 anos, pegou o carro e jogou contra a moto em que estava o assassino de seu filho. O idoso então desceu do carro e deu varias facadas no rapaz que veio a óbito. O Idoso então jogou em uma região da mata tanto a arma da agora vitima quanto a sua faca em uma região proxima.


Por mais revoltante que seja saber que seu filho foi brutalmente assassinado, a vingança nunca é justiça, e a partir dai a pessoa se torna um criminoso.

Ah proposito:
Rin escreveu:
De qualquer maneira, ao ponto mais interessante do tópico: que porra é essa de tipos de pinto?
:aliens:


:guei: ...


Tava esquecendo de colocar a matéria que mencionei (Clique aqui)

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Mataram algum ente querido, automaticamente posso pensar em vingança é claro, como dito acima pelo paçoca, seria hipocrisia dizer que não pensaria nisso. Porém, caso eu iniciasse isso, teria as consequências do meu ato, me tornaria tão podre quanto o ser que cometeu o crime contra a pessoa próxima a mim.

De verdade é só uma suposição minha, espero nada do tipo ocorrer a minha volta, mas é algo realmente a se pensar, em qual desfecho poderia ter algo do tipo, atualmente mantenho esse pensamento.



descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Sempre que possível o correto é buscar a "vingança" dentro da lei.

Contudo sabemos que isso nem sempre é possível, e tampouco "satisfatório".

O fato é que raramente ficamos satisfeito quando conseguimos realizar nossa vingança, ainda mais em casos sérios como esse narrado, no final das contas sempre vamos querer ferrar mais e mais o alvo do nosso ódio, e pode ser que não importa o que façamos o ódio pode simplesmente não passar.

A conclusão é que a pessoa que nos fez mal acaba nos fazendo mal duas vezes (se permitimos) uma no ato que gerou revolta e depois quando essa pessoa consegue fazer com que tenhamos ódio e desejo de vingança, esses sentimentos por si só muitas vezes podem ser mais danosos pro nosso bem estar do que a ação de fato que originou esses sentimentos.

E em alguns caso pode haver um terceiro prejuízo, que é quando vamos executar a vingança de fato (como em um caso onde você vai matar a pessoa) e acabamos sendo punidos por isso (pela lei por exemplo).

Digamos:

Alguém te bateu.

1 - Você apanhou
2 - Nutriu ódio e desejo de vingança por X tempo.
3 - No final se vingou matando o sujeito porém você foi preso por isso (e ainda se rebaixou ao nível do agressor).

No final das contas o menos relevante do que aconteceu com você foi apanhar, os maiores problemas você mesmo criou no processo.

Assistam um filme chamado "Código de Conduta" com Gerard Butler e Jamie Foxx (filmão), trata exatamente do que estamos falando aqui.

Se você acredita em Karma, lei do retorno e etc, é mais fácil lidar com isso pois você sabe que a vida vai se "vingar" por você.
Caso não acredite é mais complicado, porém como sou do time que acredita não sei exatamente qual o modus operandi do pessoal mais incrédulo, kkkk... Mentalidade diferentes, ações diferentes.

Mas acredito que o importante é aprender a se colocar mentalmente acima da ação que lhe prejudicou e sempre agir baseado na lógica e na razão, não permitir que emoções tomem o controlem e ditem nossas ações. Nesse caso a razão vai lhe indicar o certo a fazer, as emoções não.

No final das contas concordo com o Mestre:

Até onde a vingança pode ser considerada legítima? Seu_madruga1

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Rin escreveu:
[justify]Esse seu exemplo não é uma vendeta legítima por si só. E a razão é simples: a neta do motorista não tinha nada a ver com o que ele fez. Uma vingança legítima seria matar o motorista, não a neta.

Não há razoabilidade em se vingar de pessoas aquém ao culpado. O pai cometeu um crime absurdo contra a proporcionalidade, envolver pessoas não culpadas não é vingança, é assassinato sem pretexto.




concordo


Ben Ikneg escreveu:
O ser humano é vingativo por natureza e não existe como resolver esse problema... Mas numa sociedade envolvendo vários seres humanos como a nossa, nenhuma forma de vingança feito pelas próprias mãos que envolva morte ou danos severos é legitimo, ainda mais quando um inocente está sendo envolvido, uma pessoa que consegue matar ou torturar um outro individuo sem ter medo de consequências precisa ser isolado da sociedade para não existir um ciclo infinito de vinganças e mais vitimas sejam feitas.

Além dessa mulher supostamente ter morrido por uma vingança que ela não tinha nada haver, o cara que vestiu a máscara de vingador pode achar que a vingança não foi o suficiente e ir atrás de causar mais dano, simplesmente por achar que "ele" deveria sofrer mais.

Além de várias pessoas acabarem sendo envolvidas, pode ocorrer o famoso ciclo de vingança onde ambos lados e pessoas envolvidas vão ficar mantendo essa vingança e ódio até não poder mais... Resumo da história, é entendível o desejo de querer se vingar, mas no final, vingança é movido apenas por emoções, não resolve muita coisa e pode apenas criar mais vitimas.


concordo

Atlas Titan escreveu:
Sempre que possível o correto é buscar a "vingança" dentro da lei.

Contudo sabemos que isso nem sempre é possível, e tampouco "satisfatório".

O fato é que raramente ficamos satisfeito quando conseguimos realizar nossa vingança, ainda mais em casos sérios como esse narrado, no final das contas sempre vamos querer ferrar mais e mais o alvo do nosso ódio, e pode ser que não importa o que façamos o ódio pode simplesmente não passar.

A conclusão é que a pessoa que nos fez mal acaba nos fazendo mal duas vezes (se permitimos) uma no ato que gerou revolta e depois quando essa pessoa consegue fazer com que tenhamos ódio e desejo de vingança, esses sentimentos por si só muitas vezes podem ser mais danosos pro nosso bem estar do que a ação de fato que originou esses sentimentos.

E em alguns caso pode haver um terceiro prejuízo, que é quando vamos executar a vingança de fato (como em um caso onde você vai matar a pessoa) e acabamos sendo punidos por isso (pela lei por exemplo).

Digamos:

Alguém te bateu.

1 - Você apanhou
2 - Nutriu ódio e desejo de vingança por X tempo.
3 - No final se vingou matando o sujeito porém você foi preso por isso (e ainda se rebaixou ao nível do agressor).

No final das contas o menos relevante do que aconteceu com você foi apanhar, os maiores problemas você mesmo criou no processo.

Assistam um filme chamado "Código de Conduta" com Gerard Butler e Jamie Foxx (filmão), trata exatamente do que estamos falando aqui.

Se você acredita em Karma, lei do retorno e etc, é mais fácil lidar com isso pois você sabe que a vida vai se "vingar" por você.
Caso não acredite é mais complicado, porém como sou do time que acredita não sei exatamente qual o modus operandi do pessoal mais incrédulo, kkkk... Mentalidade diferentes, ações diferentes.


Mas acredito que o importante é aprender a se colocar mentalmente acima da ação que lhe prejudicou e sempre agir baseado na lógica e na razão, não permitir que emoções tomem o controlem e ditem nossas ações. Nesse caso a razão vai lhe indicar o certo a fazer, as emoções não.

No final das contas concordo com o Mestre:

Até onde a vingança pode ser considerada legítima? Seu_madruga1



concordo 100%

principalmente sobre o karma

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
"A vingança é um prato que se come frio"... Essa famosa frase já diz tudo.

A morte ocorre por 3 motivos, causas naturais, acidentes e assassinato (suicídio e assassinato)

Quando você busca vingança não é por justiça, mas sim por satisfação própria. Algo que pode trazer problemas como, derrame de sangue inocente, dor emocional de ambos os lados, ciclo de ódio, vidas miserável de fugitivo, etc...

1- Ao perder alguém por qualquer que seja o motivo, fora crime ou acidente, devemos nos conformar com isso, afinal a morte nos persegue.

2- Ao perder alguém por acidente, também devemos nos conformar, afinal amanha somos nos a atropelar sem querer.
Claro que o causador do acidente deve se comprometer a amenizar a dor da família, cuidando de tudo ate o inteiro, alem de pagar uma multa para que seja mais responsável.

3- Por assassinato, ai sim vingança é algo que pode vir a nossa mente. Porem imagine se todos os assassinos fossem mortos?
Mesmo que os familiares soubessem que o seu ente querido fosse um assassino, eles também buscariam vingança.

Exemplo, houve um caso de traficantes que provaram do ciclo de ódio. Uma das gangs assassinou o filho herdeiro de chefe de outra em uma troca de tiros, porem não satisfeito com isso, a gangs iniciou uma guerra com outra, envolvendo vidas e vidas com balas perdidas, etc... Vários desses cidadãos que perderam seus filhos podiam ter se envolvido nessa guerra por vingança também, mas seriam hipócritas se envolver em uma guerra que acabou com a vida dos seus filhos. Assim como os traficantes o foram.

Parece fácil falar, mas a melhor coisa é buscar prender o assassino (isolamento social) através da justiça, ou simplesmente seguir em frente, afinal todos estamos condenados a morte.
Matar uma vida passageira pela outra, causando dor a si mesmo e aos outros é a coisa mais fútil de todas.

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Sabia que iam citar o seu Madruga, ídolo old school.

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Dificilmente uma vingança é justa. Acho que uma vingança que busque a justiça da forma correta é o limite da legitimidade.

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Ao contrário do que dizem, a vingança é um prato bem quentinho, é muito satisfatório.

descriptionAté onde a vingança pode ser considerada legítima? EmptyRe: Até onde a vingança pode ser considerada legítima?

more_horiz
Não não seja emocionado como o Sasuke que já está bom.
Permissões neste sub-fórum
Não podes responder a tópicos