Fórum NS - Discussões incríveis sobre animes e mangás!
Bem vindo ao maior fórum de animes de Brasil & Portugal!

Não deixe de registrar sua conta para poder participar do fórum! Leia nossa POLÍTICA DE PRIVACIDADE e configure suas opções de privacidade: https://www.forumnsanimes.com/privacy (ao acessar nosso site, você aceita nossas políticas de privacidade)

Poste 5 mensagens no fórum para ativar o seu primeiro rank e começar sua jornada! Aqui, você irá fazer amigos, participar de eventos, subir de rank e até ganhar prêmios!

Fórum NS - Discussões incríveis sobre animes e mangás!
Bem vindo ao maior fórum de animes de Brasil & Portugal!

Não deixe de registrar sua conta para poder participar do fórum! Leia nossa POLÍTICA DE PRIVACIDADE e configure suas opções de privacidade: https://www.forumnsanimes.com/privacy (ao acessar nosso site, você aceita nossas políticas de privacidade)

Poste 5 mensagens no fórum para ativar o seu primeiro rank e começar sua jornada! Aqui, você irá fazer amigos, participar de eventos, subir de rank e até ganhar prêmios!

Fórum NS - Discussões incríveis sobre animes e mangás!
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Fórum NS - Discussões incríveis sobre animes e mangás! Entrar

descriptionDiscussão de Alterações do Regimento Interno do NSRPG EmptyDiscussão de Alterações do Regimento Interno do NSRPG

more_horiz
10/05 a 12/05 - Discussão sobre as opções de minutas de Regimento Interno do NSRPG
12/05 a 14/05 - Votação sobre qual será a minuta utilizada.
14/05 a 16/05 - Discussão e sugestões de edições e adições à minuta escolhida, para serem votadas na votação final
16/05 a 18/05 - Votação final para deferimento e oficialização do Regimento Interno do NSRPG

Qualquer membro que participa ou tenha participado da última edição da atual edição do NSRPG pode propor alterações, remoções e adições no texto base. Tais alterações vão ser votadas a partir do dia 16. No caso de adições ou alterações, escreva o texto que propõe para o artigo.


Modelo base do regimento interno do NSRPG.
Spoiler :

descriptionDiscussão de Alterações do Regimento Interno do NSRPG EmptyRe: Discussão de Alterações do Regimento Interno do NSRPG

more_horiz
Vou comentar um pouco mais detalhado aqui cada ponto que vejo dando problema.



Art. 1. Os players do NSRPG não serão obrigados ou penalizados por não realizarem PVP com outros jogadores.

Adicionar:
- Em caso de evento exclusivamente PVP deve ser realizado uma missão especial que ofereça mesma quantidade de exp para que o jogador que não queira participar desse determinado evento, justamente não se sentir prejudicado por não participar.

Motivo: Com o passar do tempo e desequilíbrio de EXP entre narradores, vai acabar acarretando o sentimento de frustração pois eventualmente um PLAYER pode ter mais recursos que ele mesmo que esteja jogando desde o inicio do jogo. Então o justo é que exista uma alternativa para ambos jogadores possam ganhar uma mesma quantidade de EXP mesmo não participando de um suposto evento PVP.

Art. 2. As atualizações de fichas serão feitas de forma a permitir a completa e irrestrita fiscalização dos pontos distribuídos, recursos e experiência ganha, incluindo em relação a correta distribuição nos status permitidos pela tabela.

Art. 3. Os players do NSRPG têm direito à segurança em relação aos seus recursos adquiridos (jutsus, habilidades, RY, EXP), sendo ilegal qualquer movimento em direção a remover esses recursos ou alterá-los sem o consentimento do player. Em caso de quaisquer alterações, o player que possuía jutsu/habilidade/arma/recurso antes da alteração tem direito à sua versão antiga e não-alterada, inclusive para fins de rank, nível e custo, devendo essa informação constar na ficha do seu personagem.


Art. 2 e Art. 3 entram em conflito direto, eventualmente se o narrador cometer o erro de atualizar uma ficha com pontos ou recursos errados, em algum momento essa retirada de recursos teria que ser feita, caso o player se recuse, ambos artigos iriam entrar em conflito. E o mais importante... O artigo 3 é impraticável e pode estimular o fim definitivo do RPG, se eventualmente um jogador descobrir uma forma extremamente desbalanceada de unir um recurso com o outro, não poderá ser feito um balanceamento para ajustar o recurso desse player pois ele vai ter acesso a versão quebrada daquelas técnicas. É o mesmo argumento envolvendo o LoL que eu usei em um tópico anterior, o jogo precisa se atualizar, independente do player querer ou não que sua ficha seja mexida, isso acontece em qualquer rpg narrativo em grande escala como o nosso.

Outros problemas:
- O Art 3 não prevê o que aconteceria se fosse decidido uma mudança direta no regimento, onde os status funcionariam diferente, um player de genjutsu pode se sentir extremamente incomodado caso o mecanismo de como funciona o genjutsu em geral mudasse e isso independe de como a mecanização das técnicas funcione. Inclusive tenho certeza que muitos jogadores podem eventualmente acabar sugerir a mudança de alguns aspectos do regimento no futuro e isso pode prejudicar outros jogadores.
- Caso um termo seja escrito errado dentro da mecanização da técnica que beneficie o jogador eventualmente, ele vai alegar que estão querendo nerfar caso o intuito da técnica seja outro.
- Eventualmente o narrador que passar por cima de uma determinada lógica e dar um recurso para esse player que quebre totalmente mundo do RPG, esse recurso não poderá ser revisto e modificado para uma lógica saudável, pois o jogador sempre vai ter a versão antiga.

Resumindo, é impraticável... É declarar o fim do RPG, eu até entenderia caso eventualmente o player prejudicado por uma mudança ganhasse uma bonificação em alguma coisa, mas não seria nada de absurdo.



Art. 4. Os players do NSRPG têm direito à impugnar mecanizações de jutsus/habilidades/armas, sugerindo alterações, com um dos seguintes objetivos:

I- Complementar sua mecanização com informações e funcionamentos que estão faltando e que são relevantes.
II- Corrigir distorções ou incorreções feitas sobre seu funcionamento, de maneira a prejudicar algum aspecto de seu uso.
III- Compatibilizar seu nível de poder com outros jutsus da mesma categoria em rank ou nível, ou alterar seu rank ou nível.
IV- Balancear uma determinada ficha (ex: ficha Nara) que esteja fraca demais, conferindo a elas recursos adicionais e aumento de força

§1. Haverá votação global com, no mínimo, 48 horas de duração, para que os players votem sobre a aprovação ou não da alteração.
§2. A link da votação deverá ser publicada no grupo do WhatsApp do NSRPG, e no Jornal Informativo do NSRPG, com marcação de todos os players do jogo.
§3. O quórum dos narradores poderá vetar a alteração, desde que haja unanimidade ou quase-unanimidade (apenas um voto contrário).
§4. Para o início da votação global, devem ser coletadas 5 assinaturas.


Beleza.

Seria bom especificar o que acontece caso um narrador eventualmente não dê seu voto. Ele é desconsiderado do voto geral dos narradores? O voto dele vira nulo? Dependente de como isso vai ser considerado é um problema.

Art. 5. Os players do NSRPG têm o direito de serem igualmente priorizados por seus narradores, não podendo um narrador narrar duas vezes seguidas um player enquanto outro ainda está esperando sua narração.


Seria bom esse artigo prever a situação onde um narrador ou o grupo de narradores não quer narrar determinado jogador, seja por inimizade ou seja pelo motivo que não é agradável narrar esse individuo, um exemplo que posso dar é um jogador criar um personagem com claros comportamentos nazistas, homofóbicos ou que provoque seu narrador de forma indireta. Eu devia ter o direito de não narrar esse individuo mesmo que a obrigação eventualmente seja passada para mim narra-lo.



Art. 6. Os players do NSRPG têm o direito de criar um novo personagem com a mesma quantidade de EXP que seu personagem antigo do qual se desfez ou perdeu.


Certo, corretissimo.

Art. 7. Os players do NSRPG têm direito de criar, utilizando seu slot de criação, jutsus e habilidades, devendo os narradores prestarem a solidariedade de cada player também poder criar recursos tão fortes e únicos quanto os personagens dos narradores e dos players criam.


Hm... Acho que esse artigo não está prevendo situações onde vai existir um boss like a Juubi que naturalmente deveria dar conta de diversos players ao mesmo tempo, eventualmente não está prevendo situações que pode surgir um Otsutsuki, um ninja que reuniu diversos itens misticos ou fontes de chakra para se fortalecer, é absolutamente normal um narrador extrapolar em um NPC em situações como essa. Além de que existem técnicas que sempre vão exigir recursos especiais, seja diversos indivíduos sendo sacrificando, bijuus ou doujutsus especiais como Rinnegan. (Coisa que geralmente não é fácil de obter sendo player)



Art. 9. Os players do NSRPG têm o direito de protocolar, para votação pública, sugestões de adição de jutsus que ainda não foram adicionados no jogo.

§1. A mecanização deverá ser proposta pelo player no ato da sugestão.
§2. 48h para discussão, 48h para votação. Durante a fase de discussão, qualquer player poderá arrolar novas opções de mecanização para votação.
§3. O quórum dos narradores, em unanimidade ou quase-unanimidade, pode vetar a adição do jutsu ou alterar sua mecanização.


Certo... Eu não sei muito bem quais vão ser as consequências a longo prazo disso, mesmo que na prática já discutimos sugestões e botamos dentro do jogo, mas parece ser uma obrigação adicional para as costas do narradores que podem desanimar a longo prazo.



Art. 11. As missões deverão observar quantidade de turnos mínimos de acordo com o seu rank.

Parágrafo único. A quantidade de turnos não pode ser burlada através de narrações injustificadamente e repetidamente curtas ou mal desenvolvidos, levando em consideração o contexto.

Eu concordo com a quantidade de turnos mínimos.
Bom, qual vai ser a penalidade para o narrador que não seguir esse artigo?

Art. 12. Caso haja disponibilidade do narrador, de acordo com o art. 5, o player tem direito de ser narrador quantas vezes por dia o seu narrador estiver disposto, sem sofrer ingerências, reclamações e incômodos por parte do diretor do NSRPG ou dos integrantes de sua equipe.

Parágrafo único. É resguardado o princípio do lazer e direito de jogar o NSRPG livremente e à vontade, considerando o art. 1 deste regimento.

Art. 13. Os players do NSRPG têm direito de paralisar sua história e aguardar um novo narrador ou, com a concordância do novo narrador, trocar de narrador. Com a concordância de todos os envolvidos, pode haver permuta de narrador.


Certo.

Art. 14. Os players do NSRPG têm direito de fazer reclamações sobre duplos critérios e ter acesso a uma "Lista de Entendimentos", composta por interpretações sobre interações e funcionamentos de técnicas, para não serem prejudicados por interpretações polêmicas ou controversas, gerando insegurança.

Parágrafo único. Para sumular na lista de entendimento, deve-se haver discussão e votação pública com maioria absoluta dos narradores favorável.


Demasiado burocrático em alguns sentidos, o jogo vai literalmente paralisar em discussões ou ser refeito em algumas situações pois tem muita mecanização que pode levar a uma segunda interpretação.

Art. 15. O ganho de EXP por batalha está abolido do NSRPG, assim como quaisquer formas de aumentar a EXP ganha pela missão. Eventos especiais podem conferir EXP, desde que acessíveis a todos os players de maneira equânime e na mesma ocasião, e com prévia quantidade de EXP aprovada pela maioria absoluta dos narradores.

Parágrafo único. Após a promulgação desse regimento, o ganho base de EXP nas missões deverá ser aumentado para compensar parte da perda da possibilidade do EXP extra.


Concordo.

Mas o bônus de batalha poderia ser adquirido em situações que o individuo não está numa missão. Já que não existe nenhum sistema de recompensa caso alguém não queira participar de missões e apenas queira tacar o pavor no mundo.



Art. 16. A liberdade de criação dos narradores é princípio fundamental do NSRPG, sendo vedado ao quórum de narradores e ao diretor do NSRPG interferir na narração, levantar discussões sobre ela, ou perturbar a paz do narrador, salvo quando:

I- Houver erro objetivo em relação à história: personagens mortos aparecendo vivos, erro em relação a quem é kage, erro em relação a vila de determinado NPC, dentre outras hipóteses com mesmo nível de objetividade;

II- Houver descumprimento objetivo de regra expressa e linkável, sendo vedado interpretações subjetivas que extrapolem o sentido literal e imediato da regra;

III- Serem afetados recursos narrativos limitados que tenham repercussão sobre a narração dos outros narradores. Isto é, bijuus, itens do Rikudou Sennin, espadas dos 7 espadachins, itens místicos do Itachi, cargos e personagens ocupantes de cargos limitados de vilas (kages, líder de clã, etc.), guerras ninjas de média escala para cima ou que afetem diretamente recursos já usados. Mais recursos podem ser adicionados a essa lista em regulamento complementar, desde que com o mesmo grau de objetividade e literalidade e com aprovação da maioria dos players.

IV- Houver descumprimento objetivo de alguma parte expressa da mecanização de um jutsu, ou do funcionamento expresso de determinado status, sempre em termos objetivos. Esse incisivo não deve ser objeto de abuso de poder, em situações subjetivas ou não-expressas, áreas cinzas e áreas interpretativas, encorajada reclamação ao Adm. Geral e posterior anulação do abuso com lançamento de súmula de jurisprudência para prevenir futuros abusos do mesmo gênero.

§1. São irrelevantes, para qualquer fim, alegação de "regras não-expressas", em face de players ou narradores;

§2. No caso do inciso III, o quórum dos narradores decidirá, em sede de autorização prévia, o uso desses recursos da maneira descrita pelo narrador.  É vedado ao narrador usar qualquer desses recursos sem consultar previamente os demais narradores.

§3. Os narradores, ao analisarem o pedido descrito no §2, devem usar do bom senso e impessoalidade, tendo a obrigação de fundamentar eventual voto que recusa ao seu colega a oportunidade de usar esse recurso, com base nos seguintes critérios:

1- Grau de interferência em uma história que já está sendo construída na narração de um dos outros narradores e que usará esse recurso.

2- Grau de equidade entre e equilíbrio sobre os recursos limitados distribuídos entre os narradores.

3- Reserva daquele recurso para um futuro evento especial.


Bom, acho funcional, apesar de que na prática não sei se vai funcionar. Tem npc que eu tava utilizando que foi morto em narrativas de outros narradores sem aviso prévio e inclusive tive que concertar a incoerência dando retcon na minha própria história, tudo para manter o bem estar do RPG.



Art. 17. É direito dos players ter acesso a pesquisas bimestrais de satisfação em relação ao seu narrador, com nota de 1 a 5, e em relação aos gestores do NSRPG, sempre apurando reclamações sobre situações de abuso, desvios e má gestão de insatisfação.


Repito, não sou uber para receber nota de 1 a 5.
Podem reclamar ou elogiar o narrador tranquilamente, mas peço que abandonem essa ideia de nota pois independente de tudo, estamos gastando nosso tempo livre para atendermos os jogadores e tentar criar uma historinha em conjunto legal. Não somos pagos, estamos fazendo isso de bom coração e vontade. O narrador inclusive deve ter o direito de simplesmente querer quitar ou se recusar de narrar alguém que cause desconforto para ele.



Art. 18. Os membros do NSRPG tem direito a serem compensados, com partes do corpo, EXP, RY, restituição de itens, ou quaisquer outros meios necessários, quando prejudicado por erro do narrador nos termos do Art. 16, inciso I, II ou IV.

Parágrafo único. Nenhuma das medidas descritas nesse regimento deve ter o condão de paralisar ou atrasar o jogo de algum personagem, exceto o Art. 13.



Certo... Mas o que acontece se um narrador errar muito? O cara chega no EXP máximo? :think:



Art. 19. É direito dos players serem os donos do seu próprio caminho ninja dentro do NSRPG, sendo vedado aos narradores prejudicá-los ou obrigá-los, de qualquer forma, a seguir fixamente um roteiro planejado, em vez de se guiar pelos autônomos e próprios planos e pretensões. Trata-se do princípio da liberdade e do mundo aberto.


Concordo, perfeitamente dito.
Mas o jogador tem que entender que suas decisões tem consequências narrativas, se ele matou a filha do Senhor Feudal, então ele vai ser caçado por deus e mundo.



Art. 20. É dever dos narradores respeitarem os outros narradores e o diretor do NSRPG, sendo vedado, sob pena de advertência, suspensão ou expulsão:

I- Ofender, nos mesmos termos das regras do Fórum NS.
II- Ameaçar sair do NSRPG, fazer motim, ou sugerir que irá levar os players junto.


Hmmmm... Eu só queria que fosse assegurado o direito do narrador de querer sair do RPG eventualmente por uma decisão que ele não concorde. Por exemplo, se eu não for ouvido, atendido ou respondido depois de ter escrito por mais de uma hora aqui nesse tópico do regimento, eu não teria motivo para continuar no RPG, isso seria considerado como uma espécie de ameaça?



Art. 21. É dever dos narradores levar em consideração a satisfação dos seus players, seguindo o princípio de deixar o mesmo construir a própria história dentro do mundo ninja, sem prejudicá-lo ou obrigá-lo, de qualquer forma, a seguir o roteiro que o narrador planejou pra ele no lugar dos seus próprios planos e pretensões.


Isso é uma questão de bom senso do narrador, normal.
Mas caso o player acabe aceitando uma situação que o narrador claramente disse que vai existir consequências a longo prazo, acho que seguir esse dever pode acabar afetando a liberdade que o narrador tem em sua narrativa, uma história precisa de causa e consequência, caso não tenha... Acho que nem seria uma narração.



Art. 22. É dever dos narradores ser impessoal e imparcial no exercício de sua função em votações internas, devendo justificar suas posições com base em lógica e fatos de ordem não-pessoal e não-individualizada, sob pena de nulidade de seu voto. (ex: "Fulano é um mau narrador, então não deve dispor de uma das 7 espadas da névoa para suas narrações")

Art. 23. É dever dos narradores respeitar e zelar pelas regras do NSRPG, pelo regimento do NSRPG, pela boa experiência dos jogadores, pelo tempo e confiança investido pelos jogadores.

Art. 24. É dever dos narradores respeitar os princípios da segurança e confiabilidade no NSRPG, evitando criar problemas para os players e situações de insegurança quanto à continuidade dos recursos e conquistas dos mesmos.

Art. 25. É dever dos narradores não retaliar os players, especialmente quando os mesmos estiverem exercendo seu direito de reclamação, feedback e de votações globais.


Certo.

Art. 26. É vedado aos narradores perturbar a paz de seus colegas em situações onde em que não há violação às regras, realizando tentativas de anular ações ao arrepio da inexistência de qualquer regra prévia que embase isso.

Art. 27. É dever dos narradores levar em consideração, de boa-fé, as sugestões realizadas pelos players quanto ao funcionamento do jogo, fichas e mecanizações, sem tentar frustrar o pleno exercício desse direito ou votar contrariamente de forma injustificada.

Art. 28. É dever dos players procurar soluções pacíficas e baseadas em diálogo, e se socorrer dos recursos instituídos pelo Regimento do NSRPG, em vez de desferir ofensas, desabonos e ameaças aos narradores.

Art. 29. É dever dos players agir de boa-fé, especialmente no que tange as votações globais, sempre justificando seus votos de maneira objetiva e evitando o campo pessoal-individual.

Art. 30. É vedado aos narradores descartar publicamente e sem discussão, sugestões de players garantidas por este regimento.


Certo

Art. 31. Deve ser punido com expulsão o uso de poderes de narração ou de voto para dolosamente prejudicar ou retaliar qualquer um, em ato de visível e comprovável má-fé, ou se beneficiar intencionalmente. O narrador deve se abster de se beneficiar in-game com os atos de sua narração, de preferência consultando outro narrador em casos que se considere suspeito.

Art. 32. Todas as mudanças relevantes devem ser publicadas no Jornal Informativo do NSRPG, avisadas no grupo do NSRPG, e marcar os membros participantes.

Art. 33. Nenhuma votação descrita neste regimento aceitará votos não-justificados. O modelo é o de discussão de 48h, e finalmente uma fase de votação de 48h. É vedado paralisar, despriorizar ou pausar de qualquer forma a plena continuidade do jogo, sendo tais votações algo que corre em segundo plano.


Certo

Art. 34. A equipe do NSRPG é composta por narradores e pelo representante da administração (nomeado Diretor do NSRPG).

Art. 35. Cabe aos narradores:

I - Criar NPC's;

II- Narrar players;

III- Votar nas votações internas descritas nesse regimento e outras que não violem o mesmo;

IV- Zelar pelo Regimento do NSRPG;

V- Abrir as votações globais de players descritas neste regimento;

VI- Desenvolver outras funções inerentes à função de narrador, como participar de discussões sobre eventos especiais e etc.

Art. 36. Cabe ao diretor do NSRPG:

I- Aprovar ou vetar eventos especiais, dispondo sobre seu funcionamento.

II- Analisar o nível de força de NPCs criados, alterando sua classificação ninja para o nível mais adequado, devendo sempre preterir primeiro conversar com o narrador que criou o NPC e repassar a sugestão do que pode diminuir ou aumentar o nível do NPC.

III- Analisar as denúncias e aplicar as punições descritas no art. 21, sempre de maneira justificada, fundamentada e objetiva.

IV- Conduzir as votações descritas no Art. 16, e oficializar o resultado, devendo sempre zelar com neutralidade para que os votantes tenham o máximo de informações objetivas e despidas de opiniões e interpretações subjetivas. Em parte diferente, poderá exercer a função de acusador. Em qualquer hipótese, o narrador acusado tem direito de defesa prévio ao início da votação, devendo responder as perguntas de seus colegas e ter a oportunidade de discutir o ocorrido com eles.

V- Administrar a equipe de narradores, designando personagens e exercendo todas as funções administrativas.

VI- Oficializar os resultados das votações globais e efetivar meticulosamente exatamente o que foi aprovado.

VII- Dar seu parecer sobre as sugestões, previamente ao início das votações globais. O Diretor do NSRPG sempre deve ser ouvido, devendo a votação ficar bloqueada até que isso seja cumprido.

VIII - Criar novas regras e alterar funcionamentos e mecanizações do NSRPG. Tais atos podem ser vetados ordinariamente pela maioria absoluta de narradores ou maioria absoluta de players ativos (nas últimas 2 semanas), que devem ser sempre relembrados de seu direito e marcados no Jornal Informativo. Tais atos não podem violar, em nenhuma hipótese, o regimento do NSRPG.

IX - Recrutar outros narradores, e realizar quaisquer outras atividades que não contrariem este regimento e que se destinem a Administração do NSRPG.

§1. Nos casos do inciso II, o Diretor deve levar em consideração as funções utilitárias e especializadas, devendo se abster de analisar apenas o nível de batalha. Exempli gratia, ninjas médicos, sensores, seladores, especialistas em infiltração e espionagem, etc.

§2. Cabe recurso para o plenário da Administração do Fórum no caso do inciso III, ouvidas as testemunhas e apuradas as provas.

§3. Na hipótese do Diretor do NSRPG demorar mais que 48h, a votação deve começar sem seu parecer.


Acho que tudo certo, apesar de que há pontos que questionei anterioremente. Mas em seu geral, acho okay.

descriptionDiscussão de Alterações do Regimento Interno do NSRPG EmptyRe: Discussão de Alterações do Regimento Interno do NSRPG

more_horiz
Art. 1. Os players do NSRPG não serão obrigados ou penalizados por não realizarem PVP com outros jogadores.

Totalmente de acordo com o Ben, afinal a impossibilidade de participação de um evento que envolva PvP obrigatório pode acabar tornando-se uma espécie de punição indireta. O player deveria ter direito a jogar um núcleo de PvE se desejar. Aí fica a critério do mestre escolher onde e como esse PvE ocorrerá.

Art. 2. As atualizações de fichas serão feitas de forma a permitir a completa e irrestrita fiscalização dos pontos distribuídos, recursos e experiência ganha, incluindo em relação a correta distribuição nos status permitidos pela tabela.

Art. 3. Os players do NSRPG têm direito à segurança em relação aos seus recursos adquiridos (jutsus, habilidades, RY, EXP), sendo ilegal qualquer movimento em direção a remover esses recursos ou alterá-los sem o consentimento do player. Em caso de quaisquer alterações, o player que possuía jutsu/habilidade/arma/recurso antes da alteração tem direito à sua versão antiga e não-alterada, inclusive para fins de rank, nível e custo, devendo essa informação constar na ficha do seu personagem.

Totalmente de acordo com o Ben. E ainda acrescento que organizacionalmente seria totalmente bagunçado. As regras contidas no regimento complementam fundamentalmente o funcionamento das partes mais básicas e importantes da ficha. Como, por exemplo, a descrição do funcionamento de cada um dos status. Se algo no regimento mudar e a ficha não for obrigada a acompanhar, teríamos que ficar usando uma versão do regimento para cada ficha ou conjunto de fichas. Mais uma complicação pros narradores.




Art. 4. Os players do NSRPG têm direito à impugnar mecanizações de jutsus/habilidades/armas, sugerindo alterações, com um dos seguintes objetivos:

I- Complementar sua mecanização com informações e funcionamentos que estão faltando e que são relevantes.
II- Corrigir distorções ou incorreções feitas sobre seu funcionamento, de maneira a prejudicar algum aspecto de seu uso.
III- Compatibilizar seu nível de poder com outros jutsus da mesma categoria em rank ou nível, ou alterar seu rank ou nível.
IV- Balancear uma determinada ficha (ex: ficha Nara) que esteja fraca demais, conferindo a elas recursos adicionais e aumento de força

§1. Haverá votação global com, no mínimo, 48 horas de duração, para que os players votem sobre a aprovação ou não da alteração.
§2. A link da votação deverá ser publicada no grupo do WhatsApp do NSRPG, e no Jornal Informativo do NSRPG, com marcação de todos os players do jogo.
§3. O quórum dos narradores poderá vetar a alteração, desde que haja unanimidade ou quase-unanimidade (apenas um voto contrário).
§4. Para o início da votação global, devem ser coletadas 5 assinaturas.


Condordo com o Ben, mas tenho mais pontos a levantar. Uma votação global dessas convoca narradores, obrigando-os a parar o que quer que estivessem fazendo. Até porque, como os principais responsáveis pela interação das diversas regras e sistemas que compõe o RPG, ou seja pelo "ecossistema" do jogo, não podemos nos dar ao luxo de faltar de uma reunião dessas. Afinal, toda e qualquer mudança aprovada ou desaprovada aqui tem potencial para interferir nos trabalhos e decisões que tomaremos no futuro. Por exemplo, a aprovação de um manto com uma determinada quantidade de pontos totais acaba nos impondo uma certa padronização para a mecanização de outros mantos ou buffs análogos futuros. Se o primeiro manto hipotético der 30 de atributos totais, os mantos subsequentes terão que ter suas quantidades de pontos totais julgadas com relação ao primeiro para que a situação geral do jogo fique justa. Se este primeiro manto, julgado isoladamente eventualmente passar com uma pontuação total inadequada, nos causaria sérios problemas de balanceamento. Consequentemente, muito mais trabalho não-remunerado. Ou então, pior: um modelo de sistema com problema insolucionável, já que uma vez aprovado, os jogadores poderiam ficar presos à esse primeiro manto votado conforme desejassem, independentemente de ser justo, ou saudável para o grupo no geral.

Tendo em vista a situação acima, nós teríamos que rapidamente parar o que estamos fazendo para estudar a fundo o caso julgado na votação e justificar nossos votos. É como se o sistema nos OBRIGASSE a encontrar uma solução definitiva em 48h. O problema, é que isso nem sempre é possível. Criar soluções para o sistema de um jogo exige um processo criativo, como em qualquer outro tipo de entretenimento. E trabalhos criativos desse nível dificilmente possuem níveis de produção regulares como vocês acreditam ser. As vezes você pode levar 1 dia, 1 hora, 10 minutos ou 1 semana.  Sendo assim, minha principal questão é sobre o caso dos narradores não terem uma resposta clara para o problema levantado na votação global. Valerá uma justificativa de voto em que se explique que não se tem certeza se as mecânicas/regras propostas em votação são saudáveis para o RPG como um todo?

Entretanto, com o temor de que talvez ficasse muito unilateral, acredito que votos negativos justificados assim pelos narradores (ou seja, sem uma contraproposta) não deveriam ser apenas anulados e esquecidos. Por isso,minha sugestão não é apenas a adição da possibilidade desse tipo de justificativa, sem contrapropostas, mas também a adição de uma cláusula que criasse uma fila de espera até que a contraproposta fique pronta. Assim, nos teríamos o tempo que fosse necessário para arbitrar e criar soluções para o sistema como um todo.




Art. 5. Os players do NSRPG têm o direito de serem igualmente priorizados por seus narradores, não podendo um narrador narrar duas vezes seguidas um player enquanto outro ainda está esperando sua narração.

Totalmente de acordo com o Ben. Não tenho o que adicionar aqui.




Art. 6. Os players do NSRPG têm o direito de criar um novo personagem com a mesma quantidade de EXP que seu personagem antigo do qual se desfez ou perdeu.

De acordo.




Art. 7. Os players do NSRPG têm direito de criar, utilizando seu slot de criação, jutsus e habilidades, devendo os narradores prestarem a solidariedade de cada player também poder criar recursos tão fortes e únicos quanto os personagens dos narradores e dos players criam.

De acordo com o Ben. Não dá pra tornar possível o impossível só com uma canetada. Certas capacidades especiais, como jutsus de espaço-tempo ou gravidade, possuem pré-requisitos obrigatórios e, as vezes raros. Não é certo e, muito menos, justo dar uma mesma capacidade de espaço-tempo, por exemplo, para um player que apenas utilizou seu slot de criação em detrimento de um player que gastou seu slot de criação + algum recurso obtido em alguma missão ou evento especial




Art. 9. Os players do NSRPG têm o direito de protocolar, para votação pública, sugestões de adição de jutsus que ainda não foram adicionados no jogo.

§1. A mecanização deverá ser proposta pelo player no ato da sugestão.
§2. 48h para discussão, 48h para votação. Durante a fase de discussão, qualquer player poderá arrolar novas opções de mecanização para votação.
§3. O quórum dos narradores, em unanimidade ou quase-unanimidade, pode vetar a adição do jutsu ou alterar sua mecanização.

É o mesmo problema da outra modalidade de votação, que alias poderiam ser uma só. Faz-se a solicitação, sendo que um tipo tem mais pré-requisitos que o outro. Inclusive, acho que devem se aplicar as mesmas regras que descrevi naquela situação aqui.




Art. 11. As missões deverão observar quantidade de turnos mínimos de acordo com o seu rank.

Parágrafo único. A quantidade de turnos não pode ser burlada através de narrações injustificadamente e repetidamente curtas ou mal desenvolvidos, levando em consideração o contexto.

Completamente de acordo. E como o Ben disse, qual vão ser as punições para quem não seguir essa regra? Do contrário, naturalmente haverão reincidências.

"É proibido, mas se quiser, pode".




Art. 12. Caso haja disponibilidade do narrador, de acordo com o art. 5, o player tem direito de ser narrador quantas vezes por dia o seu narrador estiver disposto, sem sofrer ingerências, reclamações e incômodos por parte do diretor do NSRPG ou dos integrantes de sua equipe.

Parágrafo único. É resguardado o princípio do lazer e direito de jogar o NSRPG livremente e à vontade, considerando o art. 1 deste regimento.

Art. 13. Os players do NSRPG têm direito de paralisar sua história e aguardar um novo narrador ou, com a concordância do novo narrador, trocar de narrador. Com a concordância de todos os envolvidos, pode haver permuta de narrador.


Concordo em partes. A distribuição de narradores no NSRPG é regulada pela staff. Ou seja, é a equipe que calcula qual a mão-de-obra disponível, a quantidade de trabalho a ser feito e, então, divide os narradores entre os players necessitados. Agora, é justo ser narrado diversas vezes no dia enquanto alguém não tiver narrador algum? Não poderia este narrador em específico redirecionar o tempo extra que gastaria com as múltiplas narrações em outra pessoa?

Por isso, eu acho que deveria ser colocado: "... tem direito de ser narrado quantas vezes por dia o seu narrador estiver disposto, sem sofrer ingerências, reclamações e incômodos por parte do diretor do NSRPG ou dos integrantes de sua equipe, desde que não haja falta de contingente para os demais jogadores". Ou algo assim.




Art. 14. Os players do NSRPG têm direito de fazer reclamações sobre duplos critérios e ter acesso a uma "Lista de Entendimentos", composta por interpretações sobre interações e funcionamentos de técnicas, para não serem prejudicados por interpretações polêmicas ou controversas, gerando insegurança.

Parágrafo único. Para sumular na lista de entendimento, deve-se haver discussão e votação pública com maioria absoluta dos narradores favorável.

De acordo com o Ben, mas "demasiado burocrático" me parece até pouco. Acho que talvez pudesse ser possível tornar as avaliações abertas a público... Claro, que teria o fator de spoiler a ser considerado, né. Não sei como a equipe lida com isso aqui, porém. De qualquer forma, ter que ficar fazendo explicações sobre o texto escolhido para fazer a mecanização porque tem gente insatisfeita que um jutsu não deu 100% certo numa X ocasião como ele esperava é o ápice do que se tem de desanimador pra trabalhar. É ficar validando aquelas discussões que sempre fazem todo PvP ou Evento global. Inclusive, já prevejo que esse artigo não será tão usado em PvE, quanto em PvP. E por causa dele, suponho que o PvP vai ficar injogável, mesmo que as partes queiram. Porque todo mundo vai alegar estar sendo prejudicado por interpretações polêmicas ou controversas no meio da luta. Por mim, acho que pode apagar isso aqui.




Art. 15. O ganho de EXP por batalha está abolido do NSRPG, assim como quaisquer formas de aumentar a EXP ganha pela missão. Eventos especiais podem conferir EXP, desde que acessíveis a todos os players de maneira equânime e na mesma ocasião, e com prévia quantidade de EXP aprovada pela maioria absoluta dos narradores.

Parágrafo único. Após a promulgação desse regimento, o ganho base de EXP nas missões deverá ser aumentado para compensar parte da perda da possibilidade do EXP extra.

De acordo. E concordo com a sugestão do Ben: liberar bônus de batalha para players sem missão oficial.

Essa é uma coisa que senti falta no NSRPG, inclusive. No OPRPG, você não precisa estar necessariamente em uma missão oficial na história do jogo para receber o equivalente à EXP e dinheiro. Lá, nos consideramos que, independente se tem algum chefe contratando você para algum serviço ou não, você ganhará o equivalente a experiência de qualquer forma. Afinal, seriam as lutas e a superação de problemas que tornam o personagem mais experiente e mais forte, não a entrega da missão em si para o contratante. Quanto ao dinheiro, fica sob critério do mestre decidir: um caçador de recompensas pode encontrar uma cabeça que vale a quantidade de dinheiro que ele ganharia no final, um pirata pode achar um tesouro, ou então, mais tradicionalmente, um marinheiro pode ser recompensado por uma missão requisitada bem feita.




Art. 16. A liberdade de criação dos narradores é princípio fundamental do NSRPG, sendo vedado ao quórum de narradores e ao diretor do NSRPG interferir na narração, levantar discussões sobre ela, ou perturbar a paz do narrador, salvo quando:

I- Houver erro objetivo em relação à história: personagens mortos aparecendo vivos, erro em relação a quem é kage, erro em relação a vila de determinado NPC, dentre outras hipóteses com mesmo nível de objetividade;

II- Houver descumprimento objetivo de regra expressa e linkável, sendo vedado interpretações subjetivas que extrapolem o sentido literal e imediato da regra;

III- Serem afetados recursos narrativos limitados que tenham repercussão sobre a narração dos outros narradores. Isto é, bijuus, itens do Rikudou Sennin, espadas dos 7 espadachins, itens místicos do Itachi, cargos e personagens ocupantes de cargos limitados de vilas (kages, líder de clã, etc.), guerras ninjas de média escala para cima ou que afetem diretamente recursos já usados. Mais recursos podem ser adicionados a essa lista em regulamento complementar, desde que com o mesmo grau de objetividade e literalidade e com aprovação da maioria dos players.

IV- Houver descumprimento objetivo de alguma parte expressa da mecanização de um jutsu, ou do funcionamento expresso de determinado status, sempre em termos objetivos. Esse incisivo não deve ser objeto de abuso de poder, em situações subjetivas ou não-expressas, áreas cinzas e áreas interpretativas, encorajada reclamação ao Adm. Geral e posterior anulação do abuso com lançamento de súmula de jurisprudência para prevenir futuros abusos do mesmo gênero.

§1. São irrelevantes, para qualquer fim, alegação de "regras não-expressas", em face de players ou narradores;

§2. No caso do inciso III, o quórum dos narradores decidirá, em sede de autorização prévia, o uso desses recursos da maneira descrita pelo narrador.  É vedado ao narrador usar qualquer desses recursos sem consultar previamente os demais narradores.

§3. Os narradores, ao analisarem o pedido descrito no §2, devem usar do bom senso e impessoalidade, tendo a obrigação de fundamentar eventual voto que recusa ao seu colega a oportunidade de usar esse recurso, com base nos seguintes critérios:

1- Grau de interferência em uma história que já está sendo construída na narração de um dos outros narradores e que usará esse recurso.

2- Grau de equidade entre e equilíbrio sobre os recursos limitados distribuídos entre os narradores.

3- Reserva daquele recurso para um futuro evento especial.


Bom, quanto a isso... Não sei se dá pra organizar tão bem assim. Aliás, acho que é mais simples só pedir pros Narradores comentarem entre si quando forem usar NPC X na sua história, pra ninguém acabar usando o mesmo NPC ao mesmo tempo. Sobre os recursos limitados... Acho que está bom como consta aí nessas regras.




Art. 17. É direito dos players ter acesso a pesquisas bimestrais de satisfação em relação ao seu narrador, com nota de 1 a 5, e em relação aos gestores do NSRPG, sempre apurando reclamações sobre situações de abuso, desvios e má gestão de insatisfação.

Narrador não é empregado de ninguém. Narrador não deve nada a player algum. E, conforme o Ben disse, é evidente que a gente tem o direito de poder sair desse posto de trabalho conforme nosso critério.  




Art. 18. Os membros do NSRPG tem direito a serem compensados, com partes do corpo, EXP, RY, restituição de itens, ou quaisquer outros meios necessários, quando prejudicado por erro do narrador nos termos do Art. 16, inciso I, II ou IV.

Parágrafo único. Nenhuma das medidas descritas nesse regimento deve ter o condão de paralisar ou atrasar o jogo de algum personagem, exceto o Art. 13.


O comentário do Ben me fez pensar se erros voluntários seriam puníveis ou não com essa regra.




Art. 19. É direito dos players serem os donos do seu próprio caminho ninja dentro do NSRPG, sendo vedado aos narradores prejudicá-los ou obrigá-los, de qualquer forma, a seguir fixamente um roteiro planejado, em vez de se guiar pelos autônomos e próprios planos e pretensões. Trata-se do princípio da liberdade e do mundo aberto.

É a mesma coisa que disse no artigo sobre criação de jutsus. Não dá pra tornar possível o impossível só na canetada. É como o Ben disse: o jogador tem que entender que haverão consequências para seus atos.




Art. 20. É dever dos narradores respeitarem os outros narradores e o diretor do NSRPG, sendo vedado, sob pena de advertência, suspensão ou expulsão:

I- Ofender, nos mesmos termos das regras do Fórum NS.
II- Ameaçar sair do NSRPG, fazer motim, ou sugerir que irá levar os players junto.

Esse item II é tão ditatorial quanto o negócio de "regras não-expressas". E, por isso, precisa ser completamente apagado.

Todo mundo sabe que não tem como verdadeiramente obrigar ninguém a fazer nada! Pelo menos, não sem utilizar de chantagens, ameaças, extorsão ou suborno. Não consigo enxergar qualquer justificativa pra ser ter algo assim nas regras. Ainda mais quando se trata de trabalho voluntário que sempre foi feito de boa vontade! Com certeza não deve ter sido feita com essas intenções, mas para mim soou quase ofensivo!

Sem falar que, no fim das contas, essa cláusula não serve para evitar a perda de narradores importantes para a progressão do jogo. Só o que ele cria são pessoas punida. Ou seja, discordia e não concordia entre as partes do jogo. Porque, como disse, só o que dá pra fazer é criar meios de punir/agredir o narrador que não concordar com isso. Resultado? O narrador que provavelmente já não iria mais narrar, agora com certeza não narrará mais, pois foi banido ou sua ficha penalizada. É pior pra todo mundo: os players perdem seu narrador em definitivo, o narrador pode encontrar dificuldades em voltar a jogar e o RPG como um todo perde pessoal. Absolutamente ninguém sai ganhando nada nesse item II! Nem jogadores, nem narradores. Só sai ganhando quem quer que for a pessoa que for decidir o que é "ameaçar sair", "motim", "sugerir que irá levar players junto". Afinal, ele terá um mecanismo para fazer sua vontade valer à força




Art. 21. É dever dos narradores levar em consideração a satisfação dos seus players, seguindo o princípio de deixar o mesmo construir a própria história dentro do mundo ninja, sem prejudicá-lo ou obrigá-lo, de qualquer forma, a seguir o roteiro que o narrador planejou pra ele no lugar dos seus próprios planos e pretensões.

Concordo com o Ben, é uma questão de bom senso. O narrador não pode ficar menosprezando as vontades do jogador. Mas o jogador também tem que ter bom senso. Tem que entender que a história que ele quer criar dentro do mundo ninja nem sempre é possível! Se fosse assim, nem precisaria de narrador, era só deixar cada um com seu tópico criando uma fanfic própria dentro do mundo do RPG, que deixaria de ter o "role-play". Terceira vez que repito: não dá pra tornar possível o impossível só na base da canetada.




Art. 22. É dever dos narradores ser impessoal e imparcial no exercício de sua função em votações internas, devendo justificar suas posições com base em lógica e fatos de ordem não-pessoal e não-individualizada, sob pena de nulidade de seu voto. (ex: "Fulano é um mau narrador, então não deve dispor de uma das 7 espadas da névoa para suas narrações")

Art. 23. É dever dos narradores respeitar e zelar pelas regras do NSRPG, pelo regimento do NSRPG, pela boa experiência dos jogadores, pelo tempo e confiança investido pelos jogadores.

Art. 24. É dever dos narradores respeitar os princípios da segurança e confiabilidade no NSRPG, evitando criar problemas para os players e situações de insegurança quanto à continuidade dos recursos e conquistas dos mesmos.

Art. 25. É dever dos narradores não retaliar os players, especialmente quando os mesmos estiverem exercendo seu direito de reclamação, feedback e de votações globais.


De acordo.




Art. 26. É vedado aos narradores perturbar a paz de seus colegas em situações onde em que não há violação às regras, realizando tentativas de anular ações ao arrepio da inexistência de qualquer regra prévia que embase isso.

Art. 27. É dever dos narradores levar em consideração, de boa-fé, as sugestões realizadas pelos players quanto ao funcionamento do jogo, fichas e mecanizações, sem tentar frustrar o pleno exercício desse direito ou votar contrariamente de forma injustificada.

Art. 28. É dever dos players procurar soluções pacíficas e baseadas em diálogo, e se socorrer dos recursos instituídos pelo Regimento do NSRPG, em vez de desferir ofensas, desabonos e ameaças aos narradores.

Art. 29. É dever dos players agir de boa-fé, especialmente no que tange as votações globais, sempre justificando seus votos de maneira objetiva e evitando o campo pessoal-individual.

Art. 30. É vedado aos narradores descartar publicamente e sem discussão, sugestões de players garantidas por este regimento.


De acordo.




Art. 31. Deve ser punido com expulsão o uso de poderes de narração ou de voto para dolosamente prejudicar ou retaliar qualquer um, em ato de visível e comprovável má-fé, ou se beneficiar intencionalmente. O narrador deve se abster de se beneficiar in-game com os atos de sua narração, de preferência consultando outro narrador em casos que se considere suspeito.

Art. 32. Todas as mudanças relevantes devem ser publicadas no Jornal Informativo do NSRPG, avisadas no grupo do NSRPG, e marcar os membros participantes.

Art. 33. Nenhuma votação descrita neste regimento aceitará votos não-justificados. O modelo é o de discussão de 48h, e finalmente uma fase de votação de 48h. É vedado paralisar, despriorizar ou pausar de qualquer forma a plena continuidade do jogo, sendo tais votações algo que corre em segundo plano.

Estou totalmente em desacordo com o artigo 33. Voto pela sua extinção.

Primeiro porque tem que se definir uma série de fatores chave não explícitos. Existirão justificativas que não valerão e, por consequência, teriam seu voto anulado? Se sim, quem é que decide qual justificativa vale ou não? E, se for um indivíduo ou um conjuto de pessoas que decide isso, haverá alguma explicação? Porque veja bem, uma democracia em que uma figura de poder pode invalidar votos sem critérios objetivos não é bem uma democracia. Entendo a situação e também me é caro permitir votos injustificados numa situação em que deveria ocorrer um debate no qual buscássemos chegar a uma verdade. Entretanto, a partir do momento que propuseram uma votação aberta, a busca pela resposta mais lógica deixou de ser a principal prioridade. No fim, as justificativas apenas servirão para tentar convencer pessoas sobre o seu ponto e, quem sabe, talvez fazê-las mudar seu voto. Por isso, não há necessidade de alguém fiscalizando o conteúdo da justificativa à fundo. Só se fizeram ou não a justificativa com algum conteúdo. Ter o poder de anular um voto porque não concorda com a justificativa ou porque o argumento é fraco nos seus próprios conceitos é incorreto e nada democrático

O segundo motivo tem a ver com uma frase que será repetida pela quarta vez: não dá pra tornar possível o impossível só com uma canetada. Não tem como vedar paralisação ou pausa de narração se não for possível para o narrador votar e narrar ao mesmo tempo. O narrador também tem direito a exercer o seu voto. Ou será que seria justo, por exemplo, impedir que um trabalhador brasileiro votasse porque o período de votação compreende o seu expediente de trabalho? Por isso que digo que não dá pra fazer possível o impossível com uma canetada. Não é porque a regra exige que o trabalho de votação e o trabalho de narração sejam feitos em paralelo que isso necessariamente torna-se viável em todas as ocasiões. Fica aqui uma analogia: é porque um programa está em segundo plano no seu computador que ele deixa totalmente de consumir seu espaço na memória RAM disponível da máquina? Ou então: é porque os programas estão em segundo plano que o computador passa a ter mais memória RAM total?

Espero, sinceramente, que nesse caso todos entendam - principalmente os players que nunca narraram na vida -, que não será possível ter sempre votações desse nível sem qualquer ocasião em que aconteça paralisação ou atrasos. É um pedido IRREAL por parte do regimento




Art. 34. A equipe do NSRPG é composta por narradores e pelo representante da administração (nomeado Diretor do NSRPG).

Art. 35. Cabe aos narradores:

I - Criar NPC's;

II- Narrar players;

III- Votar nas votações internas descritas nesse regimento e outras que não violem o mesmo;

IV- Zelar pelo Regimento do NSRPG;

V- Abrir as votações globais de players descritas neste regimento;

VI- Desenvolver outras funções inerentes à função de narrador, como participar de discussões sobre eventos especiais e etc.

Art. 36. Cabe ao diretor do NSRPG:

I- Aprovar ou vetar eventos especiais, dispondo sobre seu funcionamento.

II- Analisar o nível de força de NPCs criados, alterando sua classificação ninja para o nível mais adequado, devendo sempre preterir primeiro conversar com o narrador que criou o NPC e repassar a sugestão do que pode diminuir ou aumentar o nível do NPC.

III- Analisar as denúncias e aplicar as punições descritas no art. 21, sempre de maneira justificada, fundamentada e objetiva.

IV- Conduzir as votações descritas no Art. 16, e oficializar o resultado, devendo sempre zelar com neutralidade para que os votantes tenham o máximo de informações objetivas e despidas de opiniões e interpretações subjetivas. Em parte diferente, poderá exercer a função de acusador. Em qualquer hipótese, o narrador acusado tem direito de defesa prévio ao início da votação, devendo responder as perguntas de seus colegas e ter a oportunidade de discutir o ocorrido com eles.

V- Administrar a equipe de narradores, designando personagens e exercendo todas as funções administrativas.

VI- Oficializar os resultados das votações globais e efetivar meticulosamente exatamente o que foi aprovado.

VII- Dar seu parecer sobre as sugestões, previamente ao início das votações globais. O Diretor do NSRPG sempre deve ser ouvido, devendo a votação ficar bloqueada até que isso seja cumprido.

VIII - Criar novas regras e alterar funcionamentos e mecanizações do NSRPG. Tais atos podem ser vetados ordinariamente pela maioria absoluta de narradores ou maioria absoluta de players ativos (nas últimas 2 semanas), que devem ser sempre relembrados de seu direito e marcados no Jornal Informativo. Tais atos não podem violar, em nenhuma hipótese, o regimento do NSRPG.

IX - Recrutar outros narradores, e realizar quaisquer outras atividades que não contrariem este regimento e que se destinem a Administração do NSRPG.

§1. Nos casos do inciso II, o Diretor deve levar em consideração as funções utilitárias e especializadas, devendo se abster de analisar apenas o nível de batalha. Exempli gratia, ninjas médicos, sensores, seladores, especialistas em infiltração e espionagem, etc.

§2. Cabe recurso para o plenário da Administração do Fórum no caso do inciso III, ouvidas as testemunhas e apuradas as provas.

§3. Na hipótese do Diretor do NSRPG demorar mais que 48h, a votação deve começar sem seu parecer.


Salvo os fatores já questionados, o resto me parece ok também.

descriptionDiscussão de Alterações do Regimento Interno do NSRPG EmptyRe: Discussão de Alterações do Regimento Interno do NSRPG

more_horiz
Sou contra duas coisas somente neste artigo, das quais são:
Parágrafo único. A quantidade de turnos não pode ser burlada através de narrações injustificadamente e repetidamente curtas ou mal desenvolvidos, levando em consideração o contexto.


O que seria esse tipo de narração? Visto que a narração cabe à ser definida "grande" ou "curta" à partir da ação do player, tão logo, ficar enchendo linguiça em narrações apenas para que serem "grandes" é completamente sem noção, além de deixar cansativo pro leitor (player) também cansa o narrador... Outro adendo é, que em passagens de tempo as narrações são curtas mesmo.

Outra coisa que não concordo, é com a retirada dos bônus por Vitória... É um alavancador de exp, ainda mais com quanto mais exp, mas a % dela caí! Ou seja, com certa quantia de exp, você com uma missão rank S só receberá 20% da quantidade original, de forma que precisa de complemento.

Então duas ou uma, deixa à exp de Vitória. Ou, aumenta a exp por cada missão e extermina a % que é retirada das missões quando se aumenta sua exp.

E caso a primeira opção permaneça, o administrador diretor do rpg não poderá ficar decidindo se seu npc é nível chunin, genin e etc, nos npc's do narrador, pois afeta à autonomia com muita força. Sem contar que ele poderá fazer tal por motivos pessoais.

Enfim, estes são meus únicos adendos.
Permissões neste sub-fórum
Não podes responder a tópicos