Fórum NS Animes - Discussões incríveis sobre animes e mangás!
Bem vindo ao maior fórum de animes de Brasil & Portugal!

Não deixe de registrar sua conta, você será avaliado e pode receber acesso ao nosso fórum! Leia nossa POLÍTICA DE PRIVACIDADE e configure suas opções de privacidade: https://www.forumnsanimes.com/privacy (ao acessar nosso site, você aceita nossas políticas de privacidade)

Poste 5 mensagens no fórum para ativar o seu primeiro rank e começar sua jornada! Aqui, você irá fazer amigos, participar de eventos, subir de rank e até ganhar prêmios!

Fórum NS Animes - Discussões incríveis sobre animes e mangás!
Bem vindo ao maior fórum de animes de Brasil & Portugal!

Não deixe de registrar sua conta, você será avaliado e pode receber acesso ao nosso fórum! Leia nossa POLÍTICA DE PRIVACIDADE e configure suas opções de privacidade: https://www.forumnsanimes.com/privacy (ao acessar nosso site, você aceita nossas políticas de privacidade)

Poste 5 mensagens no fórum para ativar o seu primeiro rank e começar sua jornada! Aqui, você irá fazer amigos, participar de eventos, subir de rank e até ganhar prêmios!

Fórum NS Animes - Discussões incríveis sobre animes e mangás!
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Fórum NS Animes - Discussões incríveis sobre animes e mangás! Conectar-se

Tipos de falácias

descriptionTipos de falácias EmptyTipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
Bom, resolvi fazer esse tópico pra explicar os mais variados tipos de falácias para os debates fluírem melhor (mentira)e, talvez vocês terem algum embasamento para dizer, "olha o seu argumento é inválido e blá blá blá". Dito isto, apreciem o tópico e dissertem mais informações se tiverem algo acrescentar


O Ataque Ad Hominem
O ataque Ad Hominem se concentra no homem, não no argumento. Por exemplo:

"Mike Wong tem um jeito muito ofensivo. Sua atitude para com os criacionistas é um exemplo perfeito dessa mentalidade; ele está sempre os chamando de ignorantes, ou estúpidos ou irracionais, etc. Você não pode levar as opiniões de alguém muito a sério quando ele exibe esse tipo de comportamento."

"Encontrei um erro de nitpick em algum lugar do enorme site de Mike Wong, destruindo assim sua credibilidade. Seus argumentos podem ser descartados, pois ele é claramente incompetente."

"Mike Wong é tendencioso para Star Wars. Tudo o que ele diz é baseado nesse viés, então você realmente não deveria ouvir o que ele diz."

"Mike Wong é apenas um engenheiro mecânico, não um cientista de renome mundial. Seus argumentos não carregam o peso da autoridade por trás deles."
O problema com esse raciocínio pode ser identificado mais facilmente aplicando-o a figuras históricas famosas.

"Isaac Newton era um idiota. Se você já leu sobre a maneira como ele se comportava, verá. Portanto, força não é igual a massa vezes aceleração."

"Albert Einstein estava errado sobre a mecânica quântica, destruindo assim sua credibilidade. Portanto, E não é igual a mc ao quadrado, já que ele era claramente incompetente."

"Nikolai Tesla foi tendencioso contra Thomas Edison por causa de sua rixa pública. Tudo o que ele disse foi baseado nesse preconceito, incluindo sua pressão por energia CA. Portanto, energia CA não é melhor do que energia CC."

"Na época em que escreveu suas teorias da relatividade, Albert Einstein era apenas um modesto funcionário de patentes, não um cientista de renome mundial. Portanto, essas teorias deveriam ser ignoradas."
Não vou debater se sou o melhor cara do mundo ou se sou justificado quando começo a insultar certas pessoas (sinto que sou, mas não estou aqui nem ali). Certamente não vou fingir que sou incapaz de cometer erros, ou que sou a única pessoa em todo este debate que não tem preconceito algum. Mas um argumento se mantém ou cai com base na precisão de seus dados e em sua consistência lógica, não no caráter de seu autor.

O Apelo à Autoridade
O Apelo à Autoridade é a ideia de que você pode provar algo simplesmente citando um "nível superior". Por exemplo:

"Mike Wong usa muita besteira para mostrar que os transportadores não podem realizar a conversão de matéria em energia, mas Lawrence Krauss diz que sim. Como Lawrence Krauss é um físico mundialmente famoso e Mike Wong é apenas um engenheiro humilde, eu confio em Krauss mais do que Wong. Além disso, conversei com meu professor de física e ele disse que Mike Wong é um monte de merda. "
Este exemplo particular ilustrou todos os problemas com o apelo à autoridade de uma só vez. Vamos ver um análogo da vida real:

"De onde você começa dizendo que não há evidências científicas da existência de Deus? Stephen Hawking é um físico mundialmente famoso e um dos maiores cientistas do mundo, e ele acredita em Deus. Albert Einstein também acreditava ! Se eles acham que há evidências científicas por Deus, então por que não ? Além disso, encontrei um livro escrito por um cientista, listando todos os tipos de evidências científicas da existência de Deus. "
Em ambos os casos, simplesmente usando nomes e / ou qualificações como "prova" sem qualquer outra lógica ou evidência de suporte, o argumento se baseia em várias suposições-chave:

A "autoridade" não é apenas conhecedora ou inteligente; ele é realmente perfeito , isto é , infalível. Portanto, se ele diz algo, deve ser verdade.

A "autoridade" está realmente dizendo o que essa pessoa pensa que está dizendo.

A "autoridade" é real, não está mentindo, etc.

Essas suposições são logicamente indefensáveis, visto que as olhamos individualmente:

Ninguém é perfeito e onisciente, portanto nada pode ser "provado" simplesmente mostrando que determinada pessoa pensa que é verdade. Você ainda precisa de lógica e evidências. Todos esses especialistas de renome mundial usaram lógica e evidências para apoiar suas próprias ideias. Nenhum deles poderia simplesmente ter dito "Eu sou um gênio, então estou certo". Então, por que alguém mais poderia apelar para sua autoridade, se eles próprios não o farão?

As opiniões das pessoas são tiradas do contexto o tempo todo, e é muito fácil fazer parecer que alguém pensa o oposto do que realmente pensa. Por exemplo, Lawrence Krauss diz que os transportadores não funcionam, e ele cita a inviabilidade inerente da ideia de "conversão matéria / energia" como prova. Em outras palavras, à sua maneira, ele está realmente dizendo a mesma coisa que eu: eles não podem realizar a conversão de matéria / energia. Da mesma forma, nem Stephen Hawking nem Albert Einstein são cristãos, mas suas palavras foram distorcidas de forma obscena para parecer que sim.

Quando as pessoas nem se dão ao trabalho de nomear uma autoridade, devemos nos perguntar se essa autoridade existe. Alguém realmente teve essa conversa com seu professor de física anônimo? Como vamos saber? Este livro sem nome de evidências científicas de Deus existe? Como vamos saber? E mesmo que a "autoridade" seja uma pessoa real, e se ela simplesmente estiver mentindo? E se ele estiver mentindo sobre suas credenciais (muito comuns entre "cientistas" criacionistas) ou pior ainda, sobre seus dados?

Dadas suas muitas falhas, é incrível como é popular o apelo à autoridade. No entanto, tenho notado que algumas pessoas vão longe demais para o outro lado e atacam qualquer tentativa de fazer referência ao trabalho de outra pessoa como um apelo à autoridade. Isso é quase tão ruim; as pessoas costumam fazer referência ao trabalho de outros (por exemplo, "como Stephen Hawking mostrou, é teoricamente possível que a energia escape de um buraco negro"), e essa prática de economia de tempo é distinta do apelo falacioso à autoridade por várias razões:

A afirmação como está escrito é verdade: Stephen Hawking fez mostram que é teoricamente possível para a energia para escapar de um buraco negro. A opinião de Stephen Hawking não está sendo mal interpretada como prova. Se alguém disse "Stephen Hawking disse que sim, pois está provado que a energia realmente não escapar buracos negros", em seguida, seria um apelo à autoridade, mas não há nada de errado com simplesmente fazer referência a alguém suas atividades.

É a própria paráfrase do autor da conclusão de Stephen Hawking. Se questionado, o autor deve ser capaz de explicar o conceito por si mesmo, não simplesmente encaminhar as pessoas para interpretações semânticas de uma citação fora do contexto.

O histórico de Stephen Hawking é relevante para o assunto (o que o distingue do apelo a uma autoridade irrelevante, ou seja, um matemático de renome mundial falando sobre questões de evolução molecular). Este ainda não constitui prova, mas não significam que suas teorias incorporar muito mais conhecimento e estudo do que algo que um leigo pode gerar. Portanto, embora possa estar errado, você precisaria de uma teoria alternativa correspondentemente rigorosa para destroná-lo. Algo que seu primo Eddie pensou enquanto estava sentado no vaso sanitário não se qualificaria.

Implorando a questão / lógica circular
Esse é o truque de estabelecer a conclusão como uma premissa. Por exemplo:

"Mike Wong diz que os drones Borg não podem se adaptar a blasters SW ou armas de fogo modernas. No entanto, é um fato conhecido que os drones Borg têm a capacidade de se adaptar a qualquer arma. Portanto, mais cedo ou mais tarde, eles se adaptarão."
Um exemplo popular da vida real:

"Negros e brancos nunca foram feitos para viver juntos. Eles são fundamentalmente diferentes em muitos níveis. Portanto, qualquer tentativa de promover a harmonia racial apenas perturbaria as leis da natureza e causaria mais problemas. A única solução é a segregação racial."
Em ambos os casos, a lógica é circular porque a premissa inclui a conclusão e vice-versa. No primeiro caso, parte da premissa de que os drones Borg podem se adaptar a qualquer arma, para provar que se adaptam a qualquer arma. No segundo caso, parte da premissa de que negros e brancos são muito diferentes para viverem juntos, para provar que negros e brancos são muito diferentes para viverem juntos.

Causa falsa
Esta é na verdade toda uma família de falácias, nas quais A é incorretamente assumido como causador de B. Por exemplo:

"Nós vimos o Executor perder seus escudos de ponte após um acerto nos globos no topo da torre da ponte. Portanto, você pode tirar os escudos de qualquer Destruidor Estelar atirando nos globos."

"Um asteróide destruiu uma torre de ponte ISD em TESB. Portanto, a KE desse asteróide deve ser o limite superior da blindagem do Star Destroyer."
E alguns análogos da vida real:

"Dez anos após o aparecimento generalizado da TV em qualquer país, a taxa de homicídios dobra. Isso prova que a televisão causa violência, não a proliferação de armas de fogo ou disparidades socioeconômicas."

"O USS Arizona foi destruído por uma bomba de 800 kg. Portanto, você precisa de menos de 4 GJ de energia química para destruir um navio de guerra americano da 2ª Guerra Mundial."
Em ordem, eles são "post hoc" (se o evento A precede o evento B, o evento A deve ter causado o evento B), "causa complexa" (se o evento A pode ser mostrado como tendo contribuído para o evento B, suponha que seja o único causa do evento B), "efeito conjunto" (se A e B mudarem, suponha que A causou B mesmo que ambos possam ter sido causados ​​por um terceiro fator) e "causa complexa" novamente.

No primeiro caso, de Star Wars, os globos são blindados si (como se pode ver no início da mesma batalha, quando um objeto explode contra um campo de força claramente visível antes de colidir com um dos globos). Portanto, os escudos devem ser derrubados antes que você possa destruí-los. Isso significa que o evento B realmente precedeu o evento A, então o evento A obviamente não causou o evento B. No segundo caso, um asteróide destruiu uma torre de ponte ISD, mas esse ISD vinha continuamente sofrendo danos por um longo período de tempo no asteróide campo, e ele havia engajado defesas rebeldes na Batalha de Hoth antes disso, então é absurdo supor que nada além desse asteróide poderia ter contribuído para a falha do escudo da ponte.

No primeiro caso da vida real, a introdução da TV é na verdade um sintoma de mudanças sociais abrangentes. Proliferação TV generalizada nunca acontece em um determinado país até depois de infra-estrutura elétrica foi adicionado, para não mencionar uma classe média populosa que podem pagar por eles. Não é preciso ser um gênio para ver que não pode ser considerada uma variável completamente independente. No segundo caso, ele assume que foi a energia química da bomba que destruiu o Arizona, embora não o tivesse feito se não tivesse atingido o Arizona precisamente no local certo.

À parte, os cientistas da vida real usam a experimentação controlada precisamente porque estão cientes da falácia da causa complexa. Eles sabem que você não pode assumir uma conexão causal entre o fator A e o evento B quando vários fatores independentes estão mudando, portanto, é necessário controlar rigidamente todos os fatores, exceto o fator A. Se esses outros fatores não forem controlados, o experimento é considerado um perda de tempo.

Falso dilema
Esse é o truque de limitar artificialmente as escolhas para criar a aparência de um dilema intratável. Por exemplo:

"Se os phasers funcionam em uma reação em cadeia, então por que ela não se espalha por um planeta inteiro?"

"Em The Wounded, ouvimos um diálogo afirmando que a Fênix destruiu um navio de guerra Cardassian a um alcance de 300.000 km. No entanto, em episódios como A Call to Arms ou Redemption, o combate parece acontecer a distâncias de 5 km ou menos. uma séria inconsistência em Star Trek, então temos que decidir o que ir com: o visual ou o diálogo. Eu escolho o diálogo. "
E na vida real:

"Metade de um globo ocular é inútil, então não há razão para ter um globo ocular a menos que esteja completo. Mas a teoria da evolução diz que todas as mudanças biológicas são graduais, então não pode explicar como o globo ocular apareceu de repente!"

"Se permitirmos ações judiciais frívolas, encorajamos a mentalidade de loteria, e pessoas sem escrúpulos usam ações judiciais para enriquecer. Mas se as proibirmos, eliminamos a única maneira de os indivíduos buscarem reparação legal contra corporações negligentes. Dos dois, o primeiro é o mal menor. Portanto, devemos continuar a permitir ações judiciais frívolas.
Em todos os casos, a pessoa não faz nenhum esforço sério para resolver o dilema porque deseja que ele pareça insolúvel.

No primeiro exemplo de Star Wars, a pessoa o faz escolher entre "reação em cadeia imparável" e "nenhuma reação em cadeia", embora existam inúmeras condições de fronteira que podem limitaruma reação em cadeia (e fazer, na vida real). No segundo exemplo, a pessoa o faz escolher entre o visual e o diálogo, embora não haja conflito nos exemplos que ela dá. O Phoenix disparou torpedos de longo alcance contra uma nave Cardassiana solitária em "The Wounded", enquanto alcances muito mais curtos foram usados ​​nos combates da frota de "A Call to Arms" e "Redemption". No entanto, se ECM pesado estiver presente nos combates da frota, a precisão dos alvos de longo alcance pode cair vertiginosamente, e faria sentido que eles não desperdiçassem mísseis disparando-os de longo alcance, de modo que os dois incidentes possam ser reconciliados. Além disso, ele cristaliza artificialmente o combate de Star Trek em dois campos: "diálogo = longo alcance" e "visual = curto alcance",alcance de três km em "Hero Worship", e Worf usa o direcionamento manual para matar um BOP em "Redemption"), e vários visuais que sugerem longo alcance (combate TOS, no qual navios inimigos nunca são vistos no quadro com a Enterprise). Ele está deliberadamente simplificando demais para forçá-lo a escolher A ou B, embora seja possível escolher A e B neste caso.

No primeiro exemplo da vida real, o criacionista assume que, dado um processo evolutivo gradual, deve ter ocorrido um salto repentino para um globo ocular incompleto (que não funciona) ou nenhum globo ocular. Ele ignora a terceira escolha: órgão sensível à luz primitivo. Uma única célula sensível à luz pode evoluir para uma pilha de células sensíveis à luz, que eventualmente formam uma depressão superficial. A depressão pode ficar maior com o tempo até que se torne um buraco e, então, em algum ponto, os fluidos podem encher esse buraco, protegendo assim as células na base. Ele pode ter desenvolvido uma membrana superficial naquele ponto, que eventualmente se tornaria a superfície externa do globo ocular, um dia evoluindo para uma lente. Voila! Globo ocular, sem salto estúpido do nada para "globo ocular semiformado". No segundo exemplo da vida real, o advogado nos pede para escolher entre " e estipular que todos os danos punitivos (em oposição a danos ilícitos) vão para programas sociais do governo em vez do demandante reduziria a prevalência da mentalidade de loteria (a empresa ainda é punida, mas o demandante não enriquece). Existem inúmeras possibilidades, todas as quais ele deliberadamente ignora em favor do falso dilema.

Ônus da Prova
Essa é a tática de transferir o ônus da prova para a parte errada. Outra versão é a suposição de que a falta de evidência para o lado A constituía evidência de fato para o lado B, embora fosse o lado B que realmente carregava o ônus da prova. Por exemplo:

"Você não pode provar que a Terra em Star Trek não é protegida por grades de escudos maciços que podem suportar bombardeios orbitais, enormes posições de armas de superfície e plataformas de armas em órbita. O fato de não os termos visto não prova que eles não existe. "

"Já que você nunca viu cubos de Borg destruídos por um superlaser da Estrela da Morte, você não tem evidências para sua alegação de que eles não seriam capazes de se adaptar a ele."
Na vida real:

"É preciso tanta fé para descrer em Deus quanto para acreditar Nele, porque você não pode contestar a existência de Deus mais do que eu posso provar."

"Como você pode negar todas as histórias de abdução alienígena? Você não pode me dizer seriamente que todas as testemunhas estão mentindo ou delirando. Você não pode me dizer seriamente que todas as fotos são falsas ou inconclusivas. Você está comprando na Grande Mentira, e você não vai admitir que não pode refutar essas teorias. "
Em geral, o princípio lógico da parcimônia (também conhecido como Navalha de Occam ao discutir a filosofia da ciência) significa que a condição padrão para um fenômeno é não acreditar em sua existência. Esta é uma política lógica e prática; se acreditarmos automaticamente em tudo até que seja refutado, então nos paralisamos imediatamente porque existe literalmente uma infinidade de ideias que poderíamos inventar do nada (por exemplo, tentar provar que não existe unicórnio rosa invisível).

Em outras palavras, a crença em qualquer fenômeno é uma condição positiva que deve ser justificada , ou seja, o ónus da prova recai sobre quem alega a existência de um fenômeno, não sobre quem o nega. Vamos aplicar esse princípio aos exemplos acima:

O primeiro exemplo de Star Wars é bastante direto; não é razoável exigir que alguém prove que coisas que nunca vimos não existem. É verdade que não temos prova absoluta de sua inexistência, mas devemos escolher a conclusão mais lógica nesta situação, que é "nenhuma defesa planetária massiva". Não podemos presumir sua existência sem algum tipo de evidência positiva. O segundo exemplo de Star Wars é um pouco mais complicado: ele tenta virar a situação de cabeça para baixo. Tecnologia de adaptação Borg com capacidades ilimitadas é um absurdo ideia, mas ele espera que aceitá-la como uma condição padrão, exigindo assim que aceitamos o ónus da prova para mostrar que é não ilimitadas!

O primeiro exemplo da vida real é um truque religioso clássico. No entanto, o princípio lógico da parcimônia significa que, quando confrontado com a falta de evidências de qualquer forma, a conclusão mais lógica é que ela não existe. Em outras palavras, o ônus da prova cabe a quem diria que Deus faz existir (é por isso honesto Os cristãos admitem que não têm nada além de sua fé, enquanto os idiotas e mentirosos tentam fingir que seu sistema de crenças não é menos lógico do que as conclusões de um ateu). O segundo exemplo da vida real é outro estratagema infeliz, mas comum: ele age como se devêssemos assumir a existência de um fenômeno patentemente absurdo: viajantes interestelares que viajariam dezenas, talvez milhares de anos-luz (um ato que pode nem mesmo ser fisicamente possível ), apenas para mutilar vacas e raptar pessoas de parques de caravanas! Como diz o velho ditado, alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias (certamente muito mais do que apelos à popularidade ou imagens ridiculamente granuladas), mas ele nos responsabiliza por refutá- las.

Tautologias
Uma tautologia é uma afirmação que é tecnicamente verdadeira, mas que não diz nada de substancial. É redundante, inútil e muitas vezes repetido ad nauseum, como um mantra. Tecnicamente falando, esta é uma técnica retórica desonesta ao invés de uma falácia lógica, mas eu a incluo aqui simplesmente porque, bem, não quero fazer uma página separada inteira para técnicas retóricas desonestas. Por exemplo:

"É impossível saber com certeza o que aconteceria em uma luta Star Wars versus Star Trek, a menos que Lucasfilm e Paramount se juntem para fazer um."

"Star Wars e Star Trek não são reais."
E na vida real:

"A menos que você volte no tempo quatro bilhões de anos, é impossível saber exatamente o que aconteceu no nascimento da vida neste planeta. Tudo o que você tem são teorias."

"As armas não matam as pessoas, as pessoas matam as pessoas."
No primeiro exemplo de Star Wars, a pessoa afirma o óbvio: nunca saberemos com certeza. No entanto, isso não importa . Cientistas reais não sabem ao certo; eles têm apenas lógica e observações, e isso é bom o suficiente. Enquanto os filósofos perdem tempo buscando o impossível (conhecimento absoluto da verdade), os cientistas estão ocupados catalogando suas observações e as conclusões lógicas que fluem delas. Da mesma forma, não temos nenhuma maneira de saber "com certeza" o que aconteceria em um Star Wars contra Star Trek confronto, mas pode derivar teorias lógicas das evidências disponíveis. A pessoa que participa do debate e depois reclama da falta de conhecimento absoluto está apenas chorando uvas verdes; a lógica e as evidências não combinam com o que ele gostaria, então, como uma criança petulante, ele sai do jogo e reclama que é um jogo idiota de qualquer maneira. No segundo exemplo de Star Wars, a pessoa faz uma afirmação que é totalmente inútil. OK, então eles não são reais; E daí? Como é que sabemos o verdadeiro universo é real? Talvez você esteja ligado a uma elaborada simulação de realidade virtual e o mundo inteiro seja apenas uma invenção da sua imaginação! A questão não é se eles são reais, mas se é possível tratá-los como se fossem.

No primeiro exemplo da vida real, o criacionista reclama que não importa quantas evidências extraímos, não importa o quão lógicas nossas conclusões sejam, não podemos saber com certeza. E isso é verdade; não podemos saber com certeza. No entanto, nós pode facilmente determinar qual das duas teorias (Evolução ou criação) é melhor . E essa é a verdadeira questão: qual é o mais lógico? Qual mais se encaixa de perto a evidência? Os criacionistas tentam distraí-lo da inferioridade de sua "teoria" simplesmente apontando que seu concorrente não é perfeito, embora sua própria teoria seja muito, muito pior. No segundo exemplo da vida real, ouvimos outra afirmação que é tecnicamente verdadeira; sem um operador humano, uma arma é inofensiva. No entanto, isso não tem nada a ver com o debate de controle de armas, porque as armas em questão fazertêm operadores humanos. O debate é sobre o comportamento humano (o efeito de dissuasão criminal das armas de fogo privadas supera o aumento da letalidade que as armas disponíveis e baratas trazem para atos estúpidos e aleatórios de violência induzida por drogas, álcool ou raiva?), Não o bobo questão de saber se uma arma pode matar alguém sem um humano para puxar o gatilho. Se alguém se opusesse aos tratados de armas nucleares, dizendo "armas nucleares não matam pessoas, governos matam pessoas", seria considerado absolutamente absurdo, mas por alguma razão, a mesma tautologia reduzida ao nível individual parece perfeitamente correta para muitas pessoas.

Golden Mean
A falácia da média dourada pressupõe que, dados dois pontos de vista opostos, a solução correta é invariavelmente o meio, ou "média dourada".

"Você sempre tem Star Wars destruindo Star Trek em cada confronto, cada cenário, cada forma concebível. Isso é realista? Sua posição é ridiculamente extrema e não pode ser levada a sério. Uma pessoa mais razoável reconheceria algumas das vantagens de Trek. Ambos lados têm suas vantagens e desvantagens, por isso equilibra-se. "
Na vida real:

"Criacionistas e evolucionistas são os dois extremos, e ambos os lados são igualmente dogmáticos e de mente fechada. Acho que se cada lado recuasse e olhasse para isso objetivamente, eles perceberiam isso. Acho que há muitas evidências para negar a evolução , mas, ao mesmo tempo, os criacionistas fazem muitos pontos positivos em favor do design inteligente. "
A falácia da Média Áurea é baseada na crença comum de que nenhum dos dois pontos de vista diametralmente opostos pode ser correto (possivelmente uma ramificação do movimento do politicamente correto, no qual as pessoas não têm mais permissão para fazer declarações inequívocas). Mas por que? Por que um dos dois pontos de vista opostos não pode estar correto? Ninguém pode dizer; a falácia da média dourada é uma técnica retórica, não um argumento lógico legítimo. Na verdade, o valor médio dourado é uma das técnicas retóricas mais populares: uma técnica política particularmente irritante é exagerar a posição de alguém além de qualquer razão, o que efetivamente puxa o "valor médio dourado" para o seu lado. Por exemplo, o movimento criacionista precisa seu contingente de idiotas malucos jovens da Terra do Sul, porque faz sua posição de "projetista inteligente" de repente parecer bastante razoável em comparação.

No exemplo de Star Wars, ele tenta retratar minha posição como "extrema" e a compara à posição ridícula de Trekkie de que sua pequena organização poderia enfrentar um Império com milhares de vezes seu número, velocidade e poder de fogo. Como a posição deles está muito longe da minha, a resposta mais "razoável" deve estar em algum lugar no meio, certo? E no exemplo criacionista, ele tenta retratar ambos os lados como igualmente "dogmáticos" sem um pingo de evidência (na verdade, pode-se facilmentemostram que o criacionismo é dogmático enquanto a ciência não é, visto que o criacionismo se baseia em uma doutrina imutável, enquanto a ciência continuamente melhora e muda conforme aprendemos mais sobre o universo natural). Em qualquer caso, ele usa a distância absoluta entre os dois campos como prova de que ambos estão errados, sem se preocupar em produzir qualquer evidência ou argumento real.

Estilo sobre a Substância
A falácia do Estilo sobre a Substância é baseada na crença tristemente comum de que a maneira como alguém apresenta seu argumento afeta de alguma forma a verdade desse argumento. Por exemplo:

"O uso de linguagem chula é toda a indicação de que preciso sobre o seu tipo de personalidade. Não vejo como você pode esperar que alguém leve seus argumentos a sério quando você os expressa dessa maneira."
Espero que você entenda o que há de errado com esse argumento, mas caso precise de um esclarecimento, imagine a seguinte troca hipotética:

Dave: "Ei, John, eu vi seu bebê engatinhando na parte de trás do seu carro. Onde está a sua cadeirinha?"

John: "Eu não tenho um, e não pretendo comprar um. Cuide da sua vida."

Dave: "O que diabos há de errado com você, idiota? Você não percebe que um bebê que não está em uma cadeirinha será lançado como um míssil se você sofrer um acidente? Jesus H Cristo, você não se importa se seu filho vive ou morre? "

John: "Como você ousa usar essa linguagem na frente do meu filho?"

Dave: "Como você ousa arriscar a vida do seu filho, seu idiota? É realmente tão importante economizar cinquenta dólares em uma cadeira de criança? Mataria você passar cinco segundos amarrando-o?"

John: "Eu não preciso aceitar esse tipo de abuso.
Agora, aqui está a grande questão: Dave tem razão? Seu argumento está errado por causa de sua maneira rude e confrontadora? Em uma palavra, não. O uso ou desuso de "linguagem chula" não tem qualquer relação com a validade de seu argumento.

É ruim para Dave ser tão agressivo? Talvez sim, talvez não. Afinal, John já ignorou todos os tipos de anúncios de serviço público redigidos educadamente e também pode ter ignorado inúmeras sugestões educadas de outros parentes e conhecidos, então, neste ponto, o que há a perder? Mas, independentemente de você concordar com a escolha de palavras de Dave, o fato é que ele está certo, e John está errado.

Red Herring
A pista falsa é um assunto irrelevante, geralmente introduzido na tentativa de afastar o argumento de seu assunto original.

"Você diz que o Império venceria por causa de sua velocidade, poder de fogo e números. Admito que essas são forças impressionantes, mas você se esqueceu de uma coisa: Q."

"Você afirma que a Estrela da Morte bombeia uma quantidade enorme de energia terrível para Alderaan, mas se sim, como ela gerou essa energia? Onde está todo o armazenamento de combustível? Como funciona o feixe? Você não tem respostas, tem? E se você não sabe as respostas para essas perguntas simples, então como pode dizer quanta energia ela produz? "
E na vida real:

"Você diz que a Segunda Lei da Termodinâmica não refuta a evolução por causa dessa coisa de sistema aberto / fechado, mas você se esqueceu de uma coisa: o universo é um sistema fechado. Com todo o seu ar quente sobre a precisão científica, eu acho incrível que você deixou isso escapar. "

"Como você pode dizer que é uma questão de liberdade de expressão levantar a proibição de publicação de informações de criptografia de DVD? Você parece ter esquecido a questão da propriedade intelectual e dos direitos dos detentores de direitos autorais. Como os estúdios de cinema podem ganhar algum dinheiro se eles não podem parar a pirataria desenfreada? "
A falácia do Red Herring é uma tática de evasão. Sua forma mais comum é o muito criticado "nitpick", em que alguém tenta procurar imperfeições nas minutas, na redação ou talvez até na grafia do argumento de um oponente na esperança de fazer o debate girar em torno dessas imperfeições em vez de o ponto principal de seu oponente. Não há problema em mencionar esses minutos de passagem, mas apenas se mantivermos o foco diretamente no ponto original.

No primeiro exemplo de Star Wars, Q é uma pista falsa. A superioridade estratégica e tática do Império não é afetada pela presença de Q. Claro, se deixarmos claro que Q é uma pista falsa, nosso oponente mudará rapidamente para o modo de justificação de pista falsa. Ele tentará alegar que Q está em dívida com a Federação de alguma forma e, portanto, cavalgará para o resgate. Mas esta é apenas a segunda parte da falácia da pista falsa: primeiro você introduz a pista falsa e depois a usa para desviar as pessoas do debate original. No segundo exemplo de Star Wars, o poder da Estrela da Morte é estabelecido por uma simples "comparação de estado" termodinâmica. O estado de energia de Alderaan após a explosão é comparado ao estado antes da explosão, e simplesmente pegamos a diferença. É irrelevante comoa Estrela da Morte realiza esse feito, assim como a fusão nuclear era irrelevante quando os cientistas começaram a quantificar a emissão de radiação do Sol; mesmo que eles não soubessem como funcionava, eles ainda podiam descobrir a quantidade de energia que gerava.

No primeiro exemplo da vida real, o fato de todo o universo ser um sistema fechado não significa que uma forma de vida individual seja um sistema fechado, nem tem qualquer relação com o fato de que a Segunda Lei da Termodinâmica não é violada se o nível de entropia cair em uma forma de vida particular (note que este é apenas um de um enormelista de problemas com o argumento idiota da Segunda Lei da Termodinâmica criacionista). No segundo exemplo da vida real, a questão dos direitos de propriedade intelectual do detentor dos direitos autorais é completamente irrelevante para a questão de saber se uma proibição de publicação de informações relacionadas à criptografia de DVD viola a liberdade de expressão. Se o Big Brother decidir que a liberdade de expressão é menos importante do que os direitos de propriedade intelectual e que não há maneira de reduzir a pirataria além de atropelar os direitos constitucionais, então isso pode capacitar o idiota, os legisladores a aplicar a proibição de qualquer maneira, mas essa decisão não tem relação com a questão de saber se a liberdade de expressão foi, de fato, violada.

Slippery Slope
A falácia da ladeira escorregadia se baseia na ideia de que, uma vez que você dê o primeiro passo em um caminho, será inexoravelmente arrastado por esse caminho até chegar a um final inevitável e muito ruim.

"Você não deveria criticar a defesa de Picard dos Ba'ku em STI. Se os Ba'ku fossem movidos à força e seus direitos de propriedade violados, não importa quantos bilhões eles teriam economizado, teria sido imoral. o governo tira os direitos de propriedade, o que vem a seguir? Liberdade de expressão? Direitos civis? Dessa forma reside o totalitarismo, a experimentação humana, a limpeza étnica e a barbárie. "

"Você não deve criticar a Primeira Diretriz. Sim, pode parecer imoral ficar parado enquanto uma civilização inteira é destruída. Mas se intervirmos para impedir um desastre natural, o que vem a seguir? Vamos intervir para impedir as doenças? intervir para parar uma guerra? Será que vamos intervir para 'levar a civilização aos selvagens', como os europeus fizeram em sua fase de expansão sangrenta? Onde você traça a linha? Você sabe aonde essa estrada leva, não é? Imperialismo implacável! "
E na vida real:

"Se você tirar o financiamento federal para as esculturas desse artista de pedófilos molestando crianças, então você está usando o dinheiro do governo para recompensar a preferência por certos tipos de arte. Isso é engenharia social e nos inicia no caminho de um pesadelo orwelliano onde o pensamento a polícia controla nossas vidas. Portanto, você deve dar a este artista dinheiro federal para fazer suas esculturas pedófilas. "

“Se o governo quiser licenciar armas de fogo, então todos sabemos qual é o próximo passo: a polícia vai bater à sua porta para tirar suas armas. Se eles tirarem suas armas, então o próximo passo é tirar as armas longas também. Depois de terem retirado as armas longas, o próximo passo é um estado policial e uma ditadura totalitária. Portanto, não deveria haver licenciamento de armas de fogo. "
Sempre que alguém diz "onde você traça a linha", provavelmente você está lidando com um artista de ladeira escorregadia. Não há nada de errado em escolher um ponto e traçar um limite ali, em vez de criar um falso dilema e nos forçar a escolher entre dois extremos. Se você ainda não tem certeza sobre a encosta escorregadia, clique aqui para obter mais detalhes.

Espantalho
A falácia do Strawman é atacar uma versão distorcida e mais fraca do argumento do seu oponente. Nos casos mais flagrantes, um espantalho é uma fabricação completa que não tem nenhuma semelhança com o argumento em questão. Por exemplo:

"Você parece achar que os navios imperiais seriam completamente invencíveis. Isso só demonstra a natureza extremista e ilógica de seus argumentos. Nenhum navio é invencível, e o fato de você sugerir tal coisa me diz que você é um fanático. "

[Em resposta a uma refutação lógica escrita em um tom insultuoso] "Você é muito bom em insultos, mas é muito mais difícil debater logicamente. Insultando-me em vez de lidar com meu argumento, você essencialmente admirou a derrota."
Na vida real:

"Se as espécies vêm da evolução, então por que nunca vemos uma espécie se transformar em outra? Por que os pássaros não se transformam em gatos, por exemplo? E se a vida veio de reações químicas aleatórias, então como você explica a complexidade de as bactérias mais simples? As chances de até mesmo as bactérias mais simples se formarem a partir de material inanimado são astronômicas! "

"O senador Jones gostaria que reduzíssemos o aumento de gastos do Medicare proposto em 20%. Senhoras e senhores, dificilmente podemos cortar 20% do Medicare! O que sobraria? O que o senador Jones dirá às crianças desfavorecidas da América quando puderem não tomam as vacinas? "
No primeiro exemplo de Star Wars, nosso oponente tenta distorcer "mais poderosas do que as naves da Federação" em "invencíveis", gerando um bom espantalho para sua conveniência. No segundo exemplo, nosso oponente ignora uma refutação lógica porque foi escrita de maneira insultuosa e finge que estamos cometendo uma falácia ad hominem (observe que uma refutação insultuosa, mas lógica, não é uma falácia ad hominem, porque ainda aborda o ponto em vez de ignorar o ponto em favor do homem).

No primeiro exemplo da vida real, o criacionista afirma que a evolução descreve uma espécie se transformando magicamente em outra, embora isso não ocorra. Ele prossegue afirmando que a abiogênese envolveu o aparecimento súbito de uma bactéria totalmente formada, quando o primeiro autorreplicador orgânico teria sido um pequeno pedaço de molécula de RNA, não uma bactéria desenvolvida. No segundo exemplo da vida real, uma redução no tamanho de um aumento é descrita como "redução" do orçamento, o que é uma representação incorreta dos fatos. Um aumento de 20% menor ainda é um aumento! Esse tipo de retórica é muito comum na arena política; aqui no Canadá, temos testemunhado repetidamente o espetáculo absurdo de funcionários públicos gritando que o governo está "roubando" deles, dando-lhes um aumento de salário menor do que o exigido.

Generalização apressada
A generalização apressada é o uso de uma amostra inaceitavelmente pequena como base para uma conclusão sobre a população maior.

"Stormtroopers não podem mirar! Os Stormtroopers na baía de ancoragem ANH erraram Luke Skywalker por uma milha, e eles foram designados para a Estrela da Morte, então eles devem ter sido tropas de elite."

"A Federação encontrou uma maneira de superar a superioridade numérica e tecnológica do Domínio, e até mesmo dos Borg. Portanto, eles são muito bons em superar inimigos mais velhos, maiores e mais avançados, então eles serão capazes de destruir o Império."
E alguns exemplos da vida real:

“Sempre que assisto ao COPS, vejo muitos negros sendo presos. Portanto, os negros são inerentemente propensos a comportamentos criminosos”.

"Eu não sei por que você faz tanto alarido sobre os sinais de parada. Eu tenho dirigido através dos sinais de parada por anos e não tive um acidente ainda."
No primeiro exemplo de Star Wars, a pessoa tenta generalizar cerca de milhões de stormtroopers com base em uma dúzia. O tamanho da amostra é totalmente inadequado, e a conclusão resultante é invalidada pelo fato de que Stormtroopers têm boa precisão em outrospartes da trilogia (o embarque do corredor de bloqueio no início de ANH, os pontos de explosão no sandcrawler Jawa, os acertos em Leia e R2D2 na batalha da floresta Endor. Também ignora a possibilidade (probabilidade?) de que os stormtroopers ANH (e talvez também TESB) estava sob ordens de pastorear e assediar os rebeldes sem matá-los (Vader queria que eles escapassem em ANH com o farol plantado e queria que eles resgatassem Luke em TESB). As "tropas de elite" moraram é outra falácia (salto na lógica, veja abaixo), porque a atribuição da Estrela da Morte não indica necessariamente o status de elite. Na verdade, como a Estrela da Morte tem milhões de soldados e não era esperado que fosse abordada, parece mais provável que o inverso é verdadeiro: as tropas da Estrela da Morte provavelmente nãotropas de elite. No segundo exemplo de Star Wars, a pessoa faz o argumento totalmente absurdo de que, uma vez que a Federação derrotou dois inimigos superiores (o Domínio com muita ajuda, os Borg graças à sua estupidez estonteante), eles devem ser capazes de derrotar todos os inimigos superiores.

No primeiro exemplo da vida real, a pessoa assume que os criminosos que vê no COPS são representativos de toda a raça negra e deve, portanto, indicar algum tipo de tendência criminosa intrínseca (a generalização apressada é a base da maioria das atitudes racistas). No segundo exemplo da vida real (que infelizmente vem de uma pessoa real que conheci), a pessoa assume que uma série de violações bem-sucedidas dos sinais de parada durante um período de vários anos constitui prova de que os sinais de parada sempre podem ser ignorados, mesmo embora fossem, sem dúvida, probabilidades simples e a consciência de outros motoristas que o mantiveram fora do acidente que ele tanto merecia.

Salto na lógica
O salto na lógica salta de A para B, embora não haja ligação entre os dois. Também conhecido como "non sequitur", ou seja, "não segue".

"Vimos que a Federação pode construir centenas de naves estelares, então eles podem obviamente construir estações de batalha destruidoras de planetas do tamanho da lua. Eles simplesmente optam por não fazê-lo, porque eles não são tão guerreiros quanto o Império."

"Os borgs são, sem dúvida, capazes de construir super-armas massivas além de qualquer coisa que o Império já construiu, por causa de sua tecnologia de replicação rápida. Veja como eles podem assimilar rapidamente uma nave estelar!"

"O Borg pode se adaptar a um superlaser da Estrela da Morte porque vimos cubos se adaptarem ao armamento da Enterprise, e vimos drones se adaptarem a phasers manuais."
E alguns exemplos da vida real:

"Durante os últimos cem anos, fizemos alguns avanços incríveis em tecnologia. Portanto, nada é impossível."

"As últimas observações astronômicas indicam que o universo está se expandindo muito rapidamente para desacelerar e contrair por atração gravitacional. Portanto, o universo não está em um ciclo infinito de expansão e contração. Portanto, teve um início. Portanto, deve ter sido criado. Portanto, há um Deus. "

"McDonald's é o restaurante mais popular do mundo. Portanto, é o melhor."
O salto na lógica é surpreendentemente comum, apesar de ser justo, às vezes é o caso de que não é um elo de ligação, mas é tão óbvio para o debatedor que ele não achava que requeria explicação. Por exemplo, alguém que está familiarizado com as ciências do ensino fundamental pode considerar a ligação entre o estresse mecânico e a falha mecânica como evidente (embora alguns não achem óbvio - veja IXJac em minha página do Hate Mail ). No entanto, sempre que a relação de causa e efeito não for óbvia, deve-se explicá-la. No mínimo, é preciso estar preparado para fazer isso se for desafiado, mas é surpreendente quantas pessoas se recusarão a fazê-lo.

Vejamos primeiro os exemplos de Star Wars:

Nosso oponente salta de "construir centenas de pequenas naves estelares" para "construir uma gigantesca estação de batalha para destruir planetas do tamanho da lua". No entanto, a capacidade de construir um objeto pequeno não denota necessariamente a capacidade de construir um objeto arbitrariamente grande! Existem sérios problemas estruturais inerentes a grandes estruturas, e uma estrutura do tamanho da lua apresentaria problemas de engenharia incrivelmente difíceis muito antes de as primeiras vigas serem soldadas no lugar. Pior ainda, a quantidade absoluta de material seria esmagadora e a produção de energia estaria muito além de suas capacidades; a Federação teria que ser capaz de aumentar sua produção industrial e produção de energia de volume específico em milhões de vezes!

Nosso oponente salta de "assimilar rapidamente uma pequena nave estelar" para "construir grandes superarmas de poder apocalíptico". É quase como se ele estivesse dizendo "eles trabalham rápido, então podem fazer qualquer coisa". Qual é a conexão? Não é suficiente simplesmente descrever A e B e então assumir que um leva ao outro; por que devemos fazer essa conexão?

Nosso oponente salta de "adaptar-se às armas de uma única nave" e "adaptar-se ao phaser manual" para "adaptar-se ao superlaser destruidor de planetas com milhões de vezes a potência do Sol". Isso equivale a afirmar que, uma vez que a armadura de um tanque pode sobreviver ao fogo de armas leves e projéteis de certos tipos de artilharia, então deve ser capaz de resistir a um impacto direto de um asteróide enorme em queda.

Agora, vamos examinar os exemplos da vida real:

Nosso oponente salta de “alcançar avanços tecnológicos” para “a onipotência está ao nosso alcance”, o que é tão absurdo que beira a megalomania.

Nosso oponente dá um salto absurdo de "o universo teve um começo" para "deve ter sido criado por Deus". Por que não poderia ter existido sempre , já que o tempo não teria passado antes do Big Bang? Por que não poderia ter sido produzido por processos naturais em algum outro universo? Por que devemos chegar à conclusão de que algum ser senciente e onipotente o criou a partir de seus pensamentos?

Nosso oponente salta da popularidade do McDonald's para a qualidade, embora a popularidade do McDonald's possa muito bem ser devida a uma série de outros fatores (a conveniência sendo o principal deles).

Normalmente, quando confrontados com argumentos como esse, devemos refutá-los meticulosamente (esta é a base da defesa de OJ Simpson; salpique seu oponente com uma horda de argumentos sem suporte para confundir, oprimir e gerar confusão e dúvida). No entanto, não devemos ter que refutar uma conexão entre A e B quando nosso oponente falhou em estabelecer a conexão em primeiro lugar!

Conceito Roubado
A falácia do conceito roubado é o uso de conceitos enquanto rejeita sua lógica de suporte. Com efeito, o debatedor tenta "ter seu bolo e comê-lo", usando e rejeitando simultaneamente um argumento.

"De acordo com o site de Mike Wong, Deja Q prova que um núcleo de dobra da Federação pode gerar pelo menos 30.000 TW. Concordo com seu raciocínio nesse caso, mas quando se trata do poder de fogo da Estrela da Morte, ele está completamente fora de questão. Você não pode aplicar métodos científicos aos efeitos visuais. "


E alguns exemplos da vida real:

"Encontramos amostras de granito em que halos de polônio são visíveis 1. Como os halos só podem se formar em rocha sólida e as meias-vidas de Po-218 e Po-214 combinadas são inferiores a quatro minutos, a rocha deve ter solidificado quase instantaneamente, em vez de resfriar do magma ao longo de milhões de anos, como afirmam os evolucionistas. A única explicação possível é que ele foi criado por meios sobrenaturais por um Ser Supremo. Ele deve ter criado a rocha com inclusões de polônio no lugar, a fim de criar o halos. Isso contradiz de forma conclusiva as técnicas de datação radiométrica de urânio / chumbo que mostram uma escala de tempo geológica de bilhões de anos. "

"As últimas pesquisas em física quântica de campo de ponto zero mostram que é possível fazer uma máquina de movimento perpétuo, e que a primeira lei da termodinâmica não se aplica ao domínio quântico."
A falácia do conceito roubado é particularmente irritante porque revela uma mentalidade fundamentalmente desonesta. A pessoa que usa esse tipo de argumento não está interessada em construir argumentos logicamente autoconsistentes ou conduzir investigações sérias; ele simplesmente pega e escolhe pedaços de vários argumentos contraditórios e os monta como tijolos incompatíveis, com nada além de floreios retóricos e fervor quase religioso para mantê-los juntos.

Vejamos primeiro os exemplos de Star Wars:

Minha análise de Deja Q é baseada na aplicação de princípios científicos aos efeitos visuais daquele episódio específico. Ele aceita a conclusão, mas dá meia-volta e rejeita categoricamente o método subjacente porque ele produz resultados que o incomodam quando aplicado à Estrela da Morte.

Ao longo de vários anos, eu nunca uma vez encontrou um membro da "ciência não se aplica a sci-fi" multidão Trekkie que consistentemente aplicados que a filosofia (ou forneceu uma justificação válida para isso, uma vez que seus argumentos contra a ciência na ficção -fi são idênticos aos falaciosos argumentos criacionistas contra a ciência na vida real). Eles estão perfeitamente satisfeitos em aplicar E = mc² ao rendimento de uma explosão de antimatéria, os efeitos do calor e estresse a falhas estruturais, os princípios de calor específico e conservação de massa / energia para a necessidade de trabalho para fundir metal, etc., mas eles mudam e negam todos esses conceitos quando produzem resultados que os incomodam.

Agora, vamos examinar os exemplos da vida real:

Alguém poderia ficar azul ao listar os erros no argumento do "halo de polônio". Não consegue afirmar sua suposição oculta (que todos os granitos da Terra se formaram ao mesmo tempo que a Terra), emprega um salto falacioso na lógica de "mistério não resolvido" para "criação sobrenatural", trata da geologia e da teoria da evolução como um conceito conjunto, e contém não um, mas dois exemplos da falácia do conceito roubado. O primeiro exemplo da falácia do conceito roubado ocorre quando ele emprega vários princípios da física nuclear, ao mesmo tempo que rejeita o método científico que foi usado para derivar esses princípios 2 (propondo uma hipótese sem capacidades preditivas genuínas). A segunda instância da falácia do conceito roubado ocorre quando ele emprega um subconjunto dos métodos de datação radiométrica de urânio / chumbo (chegando mesmo a usar a mesma cadeia de decaimento!) Para "provar" que a Terra é jovem e que os métodos de datação radiométrica de urânio / chumbo estão errados. A pessoa que apresenta esse argumento não faz nenhum esforço para ser consistente; se a datação radiométrica de urânio / chumbo está conceitualmente errada, ele não pode usá-la para "provar" que a Terra é jovem. Se, por outro lado, for conceitualmente válido, então ele deve encontrar uma maneira de racionalizar os halos de polônio com a escala de tempo geológica. Isso não é difícil de fazer, uma vez que os halos de polônio são encontrados apenas em regiões muito específicas (coincidentemente perto de depósitos de urânio),pode se formar por meio da composição, em vez da solidificação do magma. No entanto, ele não pode simultaneamente argumentar que o método não funciona e depois usá-lo descaradamente para gerar suas próprias "provas"!

As teorias de campo de ponto zero incorporam a conservação de massa / energia como premissa. Portanto, é impossível usar essas teorias, a fim de conservação refutar de massa / energia, uma vez que iria desmentir -se no processo! Se pudesse ser mostrado que as teorias do ponto zero permitem violações da termodinâmica, isso significaria apenas que as teorias do ponto zero são logicamente inconsistentes ou que foram mal interpretadas.

A falácia do conceito roubado é amada por pseudocientistas de todo o mundo, pois basicamente resume toda a sua mentalidade. O fato de ser uma falácia é completamente perdido para eles, mas qualquer pessoa que usaria descaradamente um conceito enquanto rejeita sua base obviamente não está interessado em evitar falácias.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
Você é o novo Einstein, muito obrigado.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
Outros tipos de falácias mais convencionais...
Argumentum ad nauseum, ou argumento da repetição.
Isso ocorre quando alguém continua fazendo uma reclamação repetidamente, mas não fornece evidências reais ou fornece evidências que são posteriormente desmascaradas, mas continuam fazendo a alegação. Eventualmente a discussão torna-se exaustivo, pois o indivíduo insiste em vencer o debate por repetições de argumentos (até provocar 'enjôo').

Falsa analogia.
É quando alguém tenta usar uma analogia para provar um ponto, mas as condições da analogia diferem do cenário original o suficiente para invalidar o ponto da analogia.

Falácia existencial
É quando alguém faz um argumento silogístico que se baseia na existência de um conjunto cuja existência não se sabe.

Comparação inconsistente
É quando alguém compara algo com várias outras coisas, mas escolhe com quais coisas comparar, então parece superior a todas elas, quando na verdade é apenas ligeiramente melhor do que aqueles com os valores mais baixos nesse campo (atributo).
Exemplo: "Goku vence facilmente todo mundo das HQ's. Ele é mais rápido que Hércules, mais forte que o Homem-Aranha, mais inteligente que o Rinoceronte e um estrategista melhor que Thor!"

O que a pessoa neste exemplo esquece de mencionar é que Hércules não é realmente muito rápido, o Homem-Aranha, embora muito mais forte do que um ser humano normal, está longe de ser o nível superior de força física para a Marvel e DC, Rhino é um idiota completo, e Thor geralmente não é um estrategista muito bom.

​​Comparação incompleta
Isso ocorre quando alguém faz uma afirmação que é muito vaga para ser provada ou refutada.

Exemplo: "Madara é realmente poderoso."

Poderoso em comparação com o quê?

Falácia de composição
Isso ocorre quando alguém afirma que, se uma determinada condição é verdadeira para A, também deve ser verdadeira para qualquer conjunto maior do qual A faça parte.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
Mikeias usava muito isso.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
A que eu mais odeio aqui no fórum é ''a falácia do nível de poder'' e ''a falácia da posição/hype do personagem''
Como um usuário dizendo ''sawarabi no mai que foi burlado pelo Gaara kid vai matar kage baixos'', não fiz nem questão de responder isso a sério.

E também coisas igual ''Hur dur Orochimaru é o vilão fodão do clássico, ele vence personagem x'' no qual o @MolhoVerdeTarado já entende.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
@Kage jutsu escreveu:
Mikeias usava muito isso.


É, realmente! Pra ser bem honesto, todos do Fórum utilizam-se desses artifícios, rs  :kyo2:

@Caqui
Desabafa colega, estou aqui para ler e entender melhor o autor dessas falácias e do que se trata o debate. Se você quiser, pode encaminhar o link abaixo

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
@R2_ Turista

Uns mais outros menos, o mikeias usava muito mais que qualquer user.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
Estava lendo e relendo alguns tópicos... Um dos membros que mais usava e abusava de falácias constantemente era o usuário 'Dotonuser'! AD Nauseum, AD Hominen, inversão de ônus e ataque ao espantalho (principalmente AD Nauseum).

Justinboll apesar de prezar a imparcialidade em seus argumentos, comete falácias sem perceber, como (em poucas palavras) ''achismos''; ou melhor, distorcer algumas informações apresentadas num material canônico para adequar essas informações a narrativa que ele ACHA à mais correta.

Pedrogamer é sem comentários (assim como diversos novatos...)

Thousand Mirrors de vez em quando também abusa... É uma comparação injusta e sem cabimento comparar alguém com braços imóveis (que dificulta uma séries de coisas, como equilíbrio, redução de agilidade e outros fatores que você também tem conhecimento) com alguém que por mais que esteja psicologicamente abalado, fisicamente está saudável

Mikeias também abusava e criava teorias sem fundamentos, como a premissa em acreditar que dentro de uma ilusão, Itachi poderia fazer qualquer coisa sem limitações e, até mesmo, transcender às capacidades de algumas entidades cósmicas ashuahsua ; ou então, acreditar que Itachi supostamente poderia aplicar um Genjutsu dentro de um Genjutsu para prender o adversário dentro de um limbo.

Citei só esses por enquanto, mas tem mais, bem mais.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
@R2_Turista

Errado, o membro dotonuser era bem coerente e sempre citava fontes confiáveis, enquanto o asno que calculava pixels citava uma Wiki que fazia conta com pixels e colocava esses cálculo acima do mangá.

O asno tapado disse até que o yasaka no magatamas do Itachi era nível continental kkkkkkkk

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
Na verdade esse membro aí apresentava comentários totalmente desconexos com as scan's que ele mandava. O bicho era tão jumento que mandou uma imagem da Sakura vs Shin pra dizer que ela lutava contra dimensões e por causa disso blitizava o Kakashi ashuahsuashuahsuahsuahsuah; e falava também que Hamawari era FTL porque desviava de uns ataques de energia da Delta, e por causa disso, a velocidade padrão dos Genins era "Velocidade da luz"  :lol:

Fora os excessos de Ad Nauseum...
Membros do Fórum: Essa velocidade é inconsistente porque existem outros feitos dentro do mangá que contradiz completamente essa Scan que você mandou

Dotonuser: Ah, é que o autor maneja a velocidade dos personagens

Ahsuahsuahsuhaus

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
@R2_Turista


Vejo que você ou é o tapado do mikeias ou a anta que lambia as patas do asno demente, o dotonuser disse que alguns genins possuíam velocidade de REAÇÃO FTL, mas como vc não btem capacidade de entender isso paciência.

Quando ele disse que sakura luta contra dimensões?kkkkkk vai mentir agora.

Quem disse absurdos assim foi o mikeias o câncer do fórum por várias vezes espancado pelo dotonuser, disse que água tem peso, itachi vence hashirama,Goku tem velocidade infinta voltou atrás disse que era velocidade imensurável e voltou atrás e disse que eram as duas kkkkkkk o asno nem sabia o que achava kkkkkkk tomou tanta bolacha que chegou a dizer que o itachi vence o The one above all kkkkkkkkkkkkkkkkkk


Ad nauseum? Usar scans do mangá é Ad nauseum?


Vc agora está usando o Ad populum.

Na sua lógica se os membros do fórum acharem que hiruzen vence o thanos com a manopla logo é fato.


Dotonuser humilhou a chupadiaca da noite e toda sua fanbase estupida.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
Eu sou o Mikeias!? Hehehehehe o moleque ficou com trauma mesmo :lol:
Se for assim, você e ademais membros que compartilham às mesmas opiniões do Doutormongo, é no MÍNIMO a fanbase daquele asno que sempre foi feito de pano de chão do Mikeias.

Desculpe lamentar você, mas o seu ídolo (ou seja lá o que for), em todos os debates não conseguia se manter na discussão 'sem reter AD Nauseum', era bizarro!  :horak:

Eu entendo ele, realmente é chato e tosco manter um debate com alguém que sempre explana falácias na discussão, e além disso, gosta de hypar ao extremo os personagens que tanto gosta com feitos isolados, sem antes considerar os seguintes termos:
"Outliers, trama induzido a estupidez, inconsistência e Incoerências..."
Chumbo trocado não é errado! Ou você acha que não existem scan's dentro de DB pra contradizer completamente o seu pensamento? Como é que se refuta um tongo que fica hypando personagens demasiadamente? É fazendo a mesma coisa...

Sobre às suas falácias, bom, se o Mikeias estivesse aqui seria engraçado ver ele esfregando na sua face todos os debunks e humilhações diários que o coitadinho do Doutormongo sofria no fórum :lol:

Se o Doutormongo estivesse aqui era piadas constantes como "água tem peso; Genins FTL, Sakura luta contra dimensões; Madara nível estrela; Boruto velocidade infinita; Kaguya mais rápida porém Kid Boi supera na velocidade" :horak:

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
@R2_Turista


Kkkkkkkkk

Trauma? Trauma de que? Ver o mikeias sendo arregaçado pelo dotonuser era magnífico kkkkkkk a chupadora da noite foi tão esfolada na argumentação que contradizia a si mesma dizendo que kaguya vencia zeno e todo universo dragon ball kkkkkkkkkkkk

O mikeias sempre foi tapete do dotonuser, o dotonuser cuspiu e colocou com areia até o Mikeias apelar pro Ad populum e para os xingamentos kkkkkkkkk
Vc entende pq é burro como ele, deve pegar cálculos da vsbattle pra dizer que itachi é multi continental com o yasaka no magatama kkkkkkkkkkk

O mongolóide que disse que Goku tinha velocidade infinita e que voltou atrás após ser espancado pelo dotonuser e disse que era infinita e imensurável 🤣😂😂😂😂😂😂😂


Qual foi o outlier e estupidez introduzida pela trama que o dotonuser usava como argumentação? Tudo que ele trazia acontecia várias vezes.

Ninjas sendo capaz de desviar de raios.

Ninjas randons e genins acompanhando a velocidade da luz.

Já o mikeias trazia cálculos que ele tirava das profundezas de seu cérebro estragado ao invés de scans kkkkkkkkkkkkkk

Começou a falar tanta merda que até suas amigas riram dele e o excluíram da panelinha virtual kkkkkkkkkkkkk


Se o mikeias estivesse aqui seria saco de pancadas dos argumentos do dotonuser que por várias vezes colocou o focinho necrosado dele no chão sem cuspe kkkkkkkk


Se o dotonuser estivesse aqui além de desmentir mentiras inventadas pela chupadiaca da noite como Sakura luta contra dimensões, ele iria zoar o mikeias com isso:

Tipos de falácias Zombom10
Tipos de falácias Zombom12
Tipos de falácias Zombom11

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
@R2_Turista escreveu:
Bom, resolvi fazer esse tópico pra explicar os mais variados tipos de falácias para os debates fluírem melhor (mentira)e, talvez vocês terem algum embasamento para dizer, "olha o seu argumento é inválido e blá blá blá". Dito isto, apreciem o tópico e dissertem mais informações se tiverem algo acrescentar


O Ataque Ad Hominem
O ataque Ad Hominem se concentra no homem, não no argumento. Por exemplo:

"Mike Wong tem um jeito muito ofensivo. Sua atitude para com os criacionistas é um exemplo perfeito dessa mentalidade; ele está sempre os chamando de ignorantes, ou estúpidos ou irracionais, etc. Você não pode levar as opiniões de alguém muito a sério quando ele exibe esse tipo de comportamento."

"Encontrei um erro de nitpick em algum lugar do enorme site de Mike Wong, destruindo assim sua credibilidade. Seus argumentos podem ser descartados, pois ele é claramente incompetente."

"Mike Wong é tendencioso para Star Wars. Tudo o que ele diz é baseado nesse viés, então você realmente não deveria ouvir o que ele diz."

"Mike Wong é apenas um engenheiro mecânico, não um cientista de renome mundial. Seus argumentos não carregam o peso da autoridade por trás deles."
O problema com esse raciocínio pode ser identificado mais facilmente aplicando-o a figuras históricas famosas.

"Isaac Newton era um idiota. Se você já leu sobre a maneira como ele se comportava, verá. Portanto, força não é igual a massa vezes aceleração."

"Albert Einstein estava errado sobre a mecânica quântica, destruindo assim sua credibilidade. Portanto, E não é igual a mc ao quadrado, já que ele era claramente incompetente."

"Nikolai Tesla foi tendencioso contra Thomas Edison por causa de sua rixa pública. Tudo o que ele disse foi baseado nesse preconceito, incluindo sua pressão por energia CA. Portanto, energia CA não é melhor do que energia CC."

"Na época em que escreveu suas teorias da relatividade, Albert Einstein era apenas um modesto funcionário de patentes, não um cientista de renome mundial. Portanto, essas teorias deveriam ser ignoradas."
Não vou debater se sou o melhor cara do mundo ou se sou justificado quando começo a insultar certas pessoas (sinto que sou, mas não estou aqui nem ali). Certamente não vou fingir que sou incapaz de cometer erros, ou que sou a única pessoa em todo este debate que não tem preconceito algum. Mas um argumento se mantém ou cai com base na precisão de seus dados e em sua consistência lógica, não no caráter de seu autor.

O Apelo à Autoridade
O Apelo à Autoridade é a ideia de que você pode provar algo simplesmente citando um "nível superior". Por exemplo:

"Mike Wong usa muita besteira para mostrar que os transportadores não podem realizar a conversão de matéria em energia, mas Lawrence Krauss diz que sim. Como Lawrence Krauss é um físico mundialmente famoso e Mike Wong é apenas um engenheiro humilde, eu confio em Krauss mais do que Wong. Além disso, conversei com meu professor de física e ele disse que Mike Wong é um monte de merda. "
Este exemplo particular ilustrou todos os problemas com o apelo à autoridade de uma só vez. Vamos ver um análogo da vida real:

"De onde você começa dizendo que não há evidências científicas da existência de Deus? Stephen Hawking é um físico mundialmente famoso e um dos maiores cientistas do mundo, e ele acredita em Deus. Albert Einstein também acreditava ! Se eles acham que há evidências científicas por Deus, então por que não ? Além disso, encontrei um livro escrito por um cientista, listando todos os tipos de evidências científicas da existência de Deus. "
Em ambos os casos, simplesmente usando nomes e / ou qualificações como "prova" sem qualquer outra lógica ou evidência de suporte, o argumento se baseia em várias suposições-chave:

A "autoridade" não é apenas conhecedora ou inteligente; ele é realmente perfeito , isto é , infalível. Portanto, se ele diz algo, deve ser verdade.

A "autoridade" está realmente dizendo o que essa pessoa pensa que está dizendo.

A "autoridade" é real, não está mentindo, etc.

Essas suposições são logicamente indefensáveis, visto que as olhamos individualmente:

Ninguém é perfeito e onisciente, portanto nada pode ser "provado" simplesmente mostrando que determinada pessoa pensa que é verdade. Você ainda precisa de lógica e evidências. Todos esses especialistas de renome mundial usaram lógica e evidências para apoiar suas próprias ideias. Nenhum deles poderia simplesmente ter dito "Eu sou um gênio, então estou certo". Então, por que alguém mais poderia apelar para sua autoridade, se eles próprios não o farão?

As opiniões das pessoas são tiradas do contexto o tempo todo, e é muito fácil fazer parecer que alguém pensa o oposto do que realmente pensa. Por exemplo, Lawrence Krauss diz que os transportadores não funcionam, e ele cita a inviabilidade inerente da ideia de "conversão matéria / energia" como prova. Em outras palavras, à sua maneira, ele está realmente dizendo a mesma coisa que eu: eles não podem realizar a conversão de matéria / energia. Da mesma forma, nem Stephen Hawking nem Albert Einstein são cristãos, mas suas palavras foram distorcidas de forma obscena para parecer que sim.

Quando as pessoas nem se dão ao trabalho de nomear uma autoridade, devemos nos perguntar se essa autoridade existe. Alguém realmente teve essa conversa com seu professor de física anônimo? Como vamos saber? Este livro sem nome de evidências científicas de Deus existe? Como vamos saber? E mesmo que a "autoridade" seja uma pessoa real, e se ela simplesmente estiver mentindo? E se ele estiver mentindo sobre suas credenciais (muito comuns entre "cientistas" criacionistas) ou pior ainda, sobre seus dados?

Dadas suas muitas falhas, é incrível como é popular o apelo à autoridade. No entanto, tenho notado que algumas pessoas vão longe demais para o outro lado e atacam qualquer tentativa de fazer referência ao trabalho de outra pessoa como um apelo à autoridade. Isso é quase tão ruim; as pessoas costumam fazer referência ao trabalho de outros (por exemplo, "como Stephen Hawking mostrou, é teoricamente possível que a energia escape de um buraco negro"), e essa prática de economia de tempo é distinta do apelo falacioso à autoridade por várias razões:

A afirmação como está escrito é verdade: Stephen Hawking fez mostram que é teoricamente possível para a energia para escapar de um buraco negro. A opinião de Stephen Hawking não está sendo mal interpretada como prova. Se alguém disse "Stephen Hawking disse que sim, pois está provado que a energia realmente não escapar buracos negros", em seguida, seria um apelo à autoridade, mas não há nada de errado com simplesmente fazer referência a alguém suas atividades.

É a própria paráfrase do autor da conclusão de Stephen Hawking. Se questionado, o autor deve ser capaz de explicar o conceito por si mesmo, não simplesmente encaminhar as pessoas para interpretações semânticas de uma citação fora do contexto.

O histórico de Stephen Hawking é relevante para o assunto (o que o distingue do apelo a uma autoridade irrelevante, ou seja, um matemático de renome mundial falando sobre questões de evolução molecular). Este ainda não constitui prova, mas não significam que suas teorias incorporar muito mais conhecimento e estudo do que algo que um leigo pode gerar. Portanto, embora possa estar errado, você precisaria de uma teoria alternativa correspondentemente rigorosa para destroná-lo. Algo que seu primo Eddie pensou enquanto estava sentado no vaso sanitário não se qualificaria.

Implorando a questão / lógica circular
Esse é o truque de estabelecer a conclusão como uma premissa. Por exemplo:

"Mike Wong diz que os drones Borg não podem se adaptar a blasters SW ou armas de fogo modernas. No entanto, é um fato conhecido que os drones Borg têm a capacidade de se adaptar a qualquer arma. Portanto, mais cedo ou mais tarde, eles se adaptarão."
Um exemplo popular da vida real:

"Negros e brancos nunca foram feitos para viver juntos. Eles são fundamentalmente diferentes em muitos níveis. Portanto, qualquer tentativa de promover a harmonia racial apenas perturbaria as leis da natureza e causaria mais problemas. A única solução é a segregação racial."
Em ambos os casos, a lógica é circular porque a premissa inclui a conclusão e vice-versa. No primeiro caso, parte da premissa de que os drones Borg podem se adaptar a qualquer arma, para provar que se adaptam a qualquer arma. No segundo caso, parte da premissa de que negros e brancos são muito diferentes para viverem juntos, para provar que negros e brancos são muito diferentes para viverem juntos.

Causa falsa
Esta é na verdade toda uma família de falácias, nas quais A é incorretamente assumido como causador de B. Por exemplo:

"Nós vimos o Executor perder seus escudos de ponte após um acerto nos globos no topo da torre da ponte. Portanto, você pode tirar os escudos de qualquer Destruidor Estelar atirando nos globos."

"Um asteróide destruiu uma torre de ponte ISD em TESB. Portanto, a KE desse asteróide deve ser o limite superior da blindagem do Star Destroyer."
E alguns análogos da vida real:

"Dez anos após o aparecimento generalizado da TV em qualquer país, a taxa de homicídios dobra. Isso prova que a televisão causa violência, não a proliferação de armas de fogo ou disparidades socioeconômicas."

"O USS Arizona foi destruído por uma bomba de 800 kg. Portanto, você precisa de menos de 4 GJ de energia química para destruir um navio de guerra americano da 2ª Guerra Mundial."
Em ordem, eles são "post hoc" (se o evento A precede o evento B, o evento A deve ter causado o evento B), "causa complexa" (se o evento A pode ser mostrado como tendo contribuído para o evento B, suponha que seja o único causa do evento B), "efeito conjunto" (se A e B mudarem, suponha que A causou B mesmo que ambos possam ter sido causados ​​por um terceiro fator) e "causa complexa" novamente.

No primeiro caso, de Star Wars, os globos são blindados si (como se pode ver no início da mesma batalha, quando um objeto explode contra um campo de força claramente visível antes de colidir com um dos globos). Portanto, os escudos devem ser derrubados antes que você possa destruí-los. Isso significa que o evento B realmente precedeu o evento A, então o evento A obviamente não causou o evento B. No segundo caso, um asteróide destruiu uma torre de ponte ISD, mas esse ISD vinha continuamente sofrendo danos por um longo período de tempo no asteróide campo, e ele havia engajado defesas rebeldes na Batalha de Hoth antes disso, então é absurdo supor que nada além desse asteróide poderia ter contribuído para a falha do escudo da ponte.

No primeiro caso da vida real, a introdução da TV é na verdade um sintoma de mudanças sociais abrangentes. Proliferação TV generalizada nunca acontece em um determinado país até depois de infra-estrutura elétrica foi adicionado, para não mencionar uma classe média populosa que podem pagar por eles. Não é preciso ser um gênio para ver que não pode ser considerada uma variável completamente independente. No segundo caso, ele assume que foi a energia química da bomba que destruiu o Arizona, embora não o tivesse feito se não tivesse atingido o Arizona precisamente no local certo.

À parte, os cientistas da vida real usam a experimentação controlada precisamente porque estão cientes da falácia da causa complexa. Eles sabem que você não pode assumir uma conexão causal entre o fator A e o evento B quando vários fatores independentes estão mudando, portanto, é necessário controlar rigidamente todos os fatores, exceto o fator A. Se esses outros fatores não forem controlados, o experimento é considerado um perda de tempo.

Falso dilema
Esse é o truque de limitar artificialmente as escolhas para criar a aparência de um dilema intratável. Por exemplo:

"Se os phasers funcionam em uma reação em cadeia, então por que ela não se espalha por um planeta inteiro?"

"Em The Wounded, ouvimos um diálogo afirmando que a Fênix destruiu um navio de guerra Cardassian a um alcance de 300.000 km. No entanto, em episódios como A Call to Arms ou Redemption, o combate parece acontecer a distâncias de 5 km ou menos. uma séria inconsistência em Star Trek, então temos que decidir o que ir com: o visual ou o diálogo. Eu escolho o diálogo. "
E na vida real:

"Metade de um globo ocular é inútil, então não há razão para ter um globo ocular a menos que esteja completo. Mas a teoria da evolução diz que todas as mudanças biológicas são graduais, então não pode explicar como o globo ocular apareceu de repente!"

"Se permitirmos ações judiciais frívolas, encorajamos a mentalidade de loteria, e pessoas sem escrúpulos usam ações judiciais para enriquecer. Mas se as proibirmos, eliminamos a única maneira de os indivíduos buscarem reparação legal contra corporações negligentes. Dos dois, o primeiro é o mal menor. Portanto, devemos continuar a permitir ações judiciais frívolas.
Em todos os casos, a pessoa não faz nenhum esforço sério para resolver o dilema porque deseja que ele pareça insolúvel.

No primeiro exemplo de Star Wars, a pessoa o faz escolher entre "reação em cadeia imparável" e "nenhuma reação em cadeia", embora existam inúmeras condições de fronteira que podem limitaruma reação em cadeia (e fazer, na vida real). No segundo exemplo, a pessoa o faz escolher entre o visual e o diálogo, embora não haja conflito nos exemplos que ela dá. O Phoenix disparou torpedos de longo alcance contra uma nave Cardassiana solitária em "The Wounded", enquanto alcances muito mais curtos foram usados ​​nos combates da frota de "A Call to Arms" e "Redemption". No entanto, se ECM pesado estiver presente nos combates da frota, a precisão dos alvos de longo alcance pode cair vertiginosamente, e faria sentido que eles não desperdiçassem mísseis disparando-os de longo alcance, de modo que os dois incidentes possam ser reconciliados. Além disso, ele cristaliza artificialmente o combate de Star Trek em dois campos: "diálogo = longo alcance" e "visual = curto alcance",alcance de três km em "Hero Worship", e Worf usa o direcionamento manual para matar um BOP em "Redemption"), e vários visuais que sugerem longo alcance (combate TOS, no qual navios inimigos nunca são vistos no quadro com a Enterprise). Ele está deliberadamente simplificando demais para forçá-lo a escolher A ou B, embora seja possível escolher A e B neste caso.

No primeiro exemplo da vida real, o criacionista assume que, dado um processo evolutivo gradual, deve ter ocorrido um salto repentino para um globo ocular incompleto (que não funciona) ou nenhum globo ocular. Ele ignora a terceira escolha: órgão sensível à luz primitivo. Uma única célula sensível à luz pode evoluir para uma pilha de células sensíveis à luz, que eventualmente formam uma depressão superficial. A depressão pode ficar maior com o tempo até que se torne um buraco e, então, em algum ponto, os fluidos podem encher esse buraco, protegendo assim as células na base. Ele pode ter desenvolvido uma membrana superficial naquele ponto, que eventualmente se tornaria a superfície externa do globo ocular, um dia evoluindo para uma lente. Voila! Globo ocular, sem salto estúpido do nada para "globo ocular semiformado". No segundo exemplo da vida real, o advogado nos pede para escolher entre " e estipular que todos os danos punitivos (em oposição a danos ilícitos) vão para programas sociais do governo em vez do demandante reduziria a prevalência da mentalidade de loteria (a empresa ainda é punida, mas o demandante não enriquece). Existem inúmeras possibilidades, todas as quais ele deliberadamente ignora em favor do falso dilema.

Ônus da Prova
Essa é a tática de transferir o ônus da prova para a parte errada. Outra versão é a suposição de que a falta de evidência para o lado A constituía evidência de fato para o lado B, embora fosse o lado B que realmente carregava o ônus da prova. Por exemplo:

"Você não pode provar que a Terra em Star Trek não é protegida por grades de escudos maciços que podem suportar bombardeios orbitais, enormes posições de armas de superfície e plataformas de armas em órbita. O fato de não os termos visto não prova que eles não existe. "

"Já que você nunca viu cubos de Borg destruídos por um superlaser da Estrela da Morte, você não tem evidências para sua alegação de que eles não seriam capazes de se adaptar a ele."
Na vida real:

"É preciso tanta fé para descrer em Deus quanto para acreditar Nele, porque você não pode contestar a existência de Deus mais do que eu posso provar."

"Como você pode negar todas as histórias de abdução alienígena? Você não pode me dizer seriamente que todas as testemunhas estão mentindo ou delirando. Você não pode me dizer seriamente que todas as fotos são falsas ou inconclusivas. Você está comprando na Grande Mentira, e você não vai admitir que não pode refutar essas teorias. "
Em geral, o princípio lógico da parcimônia (também conhecido como Navalha de Occam ao discutir a filosofia da ciência) significa que a condição padrão para um fenômeno é não acreditar em sua existência. Esta é uma política lógica e prática; se acreditarmos automaticamente em tudo até que seja refutado, então nos paralisamos imediatamente porque existe literalmente uma infinidade de ideias que poderíamos inventar do nada (por exemplo, tentar provar que não existe unicórnio rosa invisível).

Em outras palavras, a crença em qualquer fenômeno é uma condição positiva que deve ser justificada , ou seja, o ónus da prova recai sobre quem alega a existência de um fenômeno, não sobre quem o nega. Vamos aplicar esse princípio aos exemplos acima:

O primeiro exemplo de Star Wars é bastante direto; não é razoável exigir que alguém prove que coisas que nunca vimos não existem. É verdade que não temos prova absoluta de sua inexistência, mas devemos escolher a conclusão mais lógica nesta situação, que é "nenhuma defesa planetária massiva". Não podemos presumir sua existência sem algum tipo de evidência positiva. O segundo exemplo de Star Wars é um pouco mais complicado: ele tenta virar a situação de cabeça para baixo. Tecnologia de adaptação Borg com capacidades ilimitadas é um absurdo ideia, mas ele espera que aceitá-la como uma condição padrão, exigindo assim que aceitamos o ónus da prova para mostrar que é não ilimitadas!

O primeiro exemplo da vida real é um truque religioso clássico. No entanto, o princípio lógico da parcimônia significa que, quando confrontado com a falta de evidências de qualquer forma, a conclusão mais lógica é que ela não existe. Em outras palavras, o ônus da prova cabe a quem diria que Deus faz existir (é por isso honesto Os cristãos admitem que não têm nada além de sua fé, enquanto os idiotas e mentirosos tentam fingir que seu sistema de crenças não é menos lógico do que as conclusões de um ateu). O segundo exemplo da vida real é outro estratagema infeliz, mas comum: ele age como se devêssemos assumir a existência de um fenômeno patentemente absurdo: viajantes interestelares que viajariam dezenas, talvez milhares de anos-luz (um ato que pode nem mesmo ser fisicamente possível ), apenas para mutilar vacas e raptar pessoas de parques de caravanas! Como diz o velho ditado, alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias (certamente muito mais do que apelos à popularidade ou imagens ridiculamente granuladas), mas ele nos responsabiliza por refutá- las.

Tautologias
Uma tautologia é uma afirmação que é tecnicamente verdadeira, mas que não diz nada de substancial. É redundante, inútil e muitas vezes repetido ad nauseum, como um mantra. Tecnicamente falando, esta é uma técnica retórica desonesta ao invés de uma falácia lógica, mas eu a incluo aqui simplesmente porque, bem, não quero fazer uma página separada inteira para técnicas retóricas desonestas. Por exemplo:

"É impossível saber com certeza o que aconteceria em uma luta Star Wars versus Star Trek, a menos que Lucasfilm e Paramount se juntem para fazer um."

"Star Wars e Star Trek não são reais."
E na vida real:

"A menos que você volte no tempo quatro bilhões de anos, é impossível saber exatamente o que aconteceu no nascimento da vida neste planeta. Tudo o que você tem são teorias."

"As armas não matam as pessoas, as pessoas matam as pessoas."
No primeiro exemplo de Star Wars, a pessoa afirma o óbvio: nunca saberemos com certeza. No entanto, isso não importa . Cientistas reais não sabem ao certo; eles têm apenas lógica e observações, e isso é bom o suficiente. Enquanto os filósofos perdem tempo buscando o impossível (conhecimento absoluto da verdade), os cientistas estão ocupados catalogando suas observações e as conclusões lógicas que fluem delas. Da mesma forma, não temos nenhuma maneira de saber "com certeza" o que aconteceria em um Star Wars contra Star Trek confronto, mas pode derivar teorias lógicas das evidências disponíveis. A pessoa que participa do debate e depois reclama da falta de conhecimento absoluto está apenas chorando uvas verdes; a lógica e as evidências não combinam com o que ele gostaria, então, como uma criança petulante, ele sai do jogo e reclama que é um jogo idiota de qualquer maneira. No segundo exemplo de Star Wars, a pessoa faz uma afirmação que é totalmente inútil. OK, então eles não são reais; E daí? Como é que sabemos o verdadeiro universo é real? Talvez você esteja ligado a uma elaborada simulação de realidade virtual e o mundo inteiro seja apenas uma invenção da sua imaginação! A questão não é se eles são reais, mas se é possível tratá-los como se fossem.

No primeiro exemplo da vida real, o criacionista reclama que não importa quantas evidências extraímos, não importa o quão lógicas nossas conclusões sejam, não podemos saber com certeza. E isso é verdade; não podemos saber com certeza. No entanto, nós pode facilmente determinar qual das duas teorias (Evolução ou criação) é melhor . E essa é a verdadeira questão: qual é o mais lógico? Qual mais se encaixa de perto a evidência? Os criacionistas tentam distraí-lo da inferioridade de sua "teoria" simplesmente apontando que seu concorrente não é perfeito, embora sua própria teoria seja muito, muito pior. No segundo exemplo da vida real, ouvimos outra afirmação que é tecnicamente verdadeira; sem um operador humano, uma arma é inofensiva. No entanto, isso não tem nada a ver com o debate de controle de armas, porque as armas em questão fazertêm operadores humanos. O debate é sobre o comportamento humano (o efeito de dissuasão criminal das armas de fogo privadas supera o aumento da letalidade que as armas disponíveis e baratas trazem para atos estúpidos e aleatórios de violência induzida por drogas, álcool ou raiva?), Não o bobo questão de saber se uma arma pode matar alguém sem um humano para puxar o gatilho. Se alguém se opusesse aos tratados de armas nucleares, dizendo "armas nucleares não matam pessoas, governos matam pessoas", seria considerado absolutamente absurdo, mas por alguma razão, a mesma tautologia reduzida ao nível individual parece perfeitamente correta para muitas pessoas.

Golden Mean
A falácia da média dourada pressupõe que, dados dois pontos de vista opostos, a solução correta é invariavelmente o meio, ou "média dourada".

"Você sempre tem Star Wars destruindo Star Trek em cada confronto, cada cenário, cada forma concebível. Isso é realista? Sua posição é ridiculamente extrema e não pode ser levada a sério. Uma pessoa mais razoável reconheceria algumas das vantagens de Trek. Ambos lados têm suas vantagens e desvantagens, por isso equilibra-se. "
Na vida real:

"Criacionistas e evolucionistas são os dois extremos, e ambos os lados são igualmente dogmáticos e de mente fechada. Acho que se cada lado recuasse e olhasse para isso objetivamente, eles perceberiam isso. Acho que há muitas evidências para negar a evolução , mas, ao mesmo tempo, os criacionistas fazem muitos pontos positivos em favor do design inteligente. "
A falácia da Média Áurea é baseada na crença comum de que nenhum dos dois pontos de vista diametralmente opostos pode ser correto (possivelmente uma ramificação do movimento do politicamente correto, no qual as pessoas não têm mais permissão para fazer declarações inequívocas). Mas por que? Por que um dos dois pontos de vista opostos não pode estar correto? Ninguém pode dizer; a falácia da média dourada é uma técnica retórica, não um argumento lógico legítimo. Na verdade, o valor médio dourado é uma das técnicas retóricas mais populares: uma técnica política particularmente irritante é exagerar a posição de alguém além de qualquer razão, o que efetivamente puxa o "valor médio dourado" para o seu lado. Por exemplo, o movimento criacionista precisa seu contingente de idiotas malucos jovens da Terra do Sul, porque faz sua posição de "projetista inteligente" de repente parecer bastante razoável em comparação.

No exemplo de Star Wars, ele tenta retratar minha posição como "extrema" e a compara à posição ridícula de Trekkie de que sua pequena organização poderia enfrentar um Império com milhares de vezes seu número, velocidade e poder de fogo. Como a posição deles está muito longe da minha, a resposta mais "razoável" deve estar em algum lugar no meio, certo? E no exemplo criacionista, ele tenta retratar ambos os lados como igualmente "dogmáticos" sem um pingo de evidência (na verdade, pode-se facilmentemostram que o criacionismo é dogmático enquanto a ciência não é, visto que o criacionismo se baseia em uma doutrina imutável, enquanto a ciência continuamente melhora e muda conforme aprendemos mais sobre o universo natural). Em qualquer caso, ele usa a distância absoluta entre os dois campos como prova de que ambos estão errados, sem se preocupar em produzir qualquer evidência ou argumento real.

Estilo sobre a Substância
A falácia do Estilo sobre a Substância é baseada na crença tristemente comum de que a maneira como alguém apresenta seu argumento afeta de alguma forma a verdade desse argumento. Por exemplo:

"O uso de linguagem chula é toda a indicação de que preciso sobre o seu tipo de personalidade. Não vejo como você pode esperar que alguém leve seus argumentos a sério quando você os expressa dessa maneira."
Espero que você entenda o que há de errado com esse argumento, mas caso precise de um esclarecimento, imagine a seguinte troca hipotética:

Dave: "Ei, John, eu vi seu bebê engatinhando na parte de trás do seu carro. Onde está a sua cadeirinha?"

John: "Eu não tenho um, e não pretendo comprar um. Cuide da sua vida."

Dave: "O que diabos há de errado com você, idiota? Você não percebe que um bebê que não está em uma cadeirinha será lançado como um míssil se você sofrer um acidente? Jesus H Cristo, você não se importa se seu filho vive ou morre? "

John: "Como você ousa usar essa linguagem na frente do meu filho?"

Dave: "Como você ousa arriscar a vida do seu filho, seu idiota? É realmente tão importante economizar cinquenta dólares em uma cadeira de criança? Mataria você passar cinco segundos amarrando-o?"

John: "Eu não preciso aceitar esse tipo de abuso.
Agora, aqui está a grande questão: Dave tem razão? Seu argumento está errado por causa de sua maneira rude e confrontadora? Em uma palavra, não. O uso ou desuso de "linguagem chula" não tem qualquer relação com a validade de seu argumento.

É ruim para Dave ser tão agressivo? Talvez sim, talvez não. Afinal, John já ignorou todos os tipos de anúncios de serviço público redigidos educadamente e também pode ter ignorado inúmeras sugestões educadas de outros parentes e conhecidos, então, neste ponto, o que há a perder? Mas, independentemente de você concordar com a escolha de palavras de Dave, o fato é que ele está certo, e John está errado.

Red Herring
A pista falsa é um assunto irrelevante, geralmente introduzido na tentativa de afastar o argumento de seu assunto original.

"Você diz que o Império venceria por causa de sua velocidade, poder de fogo e números. Admito que essas são forças impressionantes, mas você se esqueceu de uma coisa: Q."

"Você afirma que a Estrela da Morte bombeia uma quantidade enorme de energia terrível para Alderaan, mas se sim, como ela gerou essa energia? Onde está todo o armazenamento de combustível? Como funciona o feixe? Você não tem respostas, tem? E se você não sabe as respostas para essas perguntas simples, então como pode dizer quanta energia ela produz? "
E na vida real:

"Você diz que a Segunda Lei da Termodinâmica não refuta a evolução por causa dessa coisa de sistema aberto / fechado, mas você se esqueceu de uma coisa: o universo é um sistema fechado. Com todo o seu ar quente sobre a precisão científica, eu acho incrível que você deixou isso escapar. "

"Como você pode dizer que é uma questão de liberdade de expressão levantar a proibição de publicação de informações de criptografia de DVD? Você parece ter esquecido a questão da propriedade intelectual e dos direitos dos detentores de direitos autorais. Como os estúdios de cinema podem ganhar algum dinheiro se eles não podem parar a pirataria desenfreada? "
A falácia do Red Herring é uma tática de evasão. Sua forma mais comum é o muito criticado "nitpick", em que alguém tenta procurar imperfeições nas minutas, na redação ou talvez até na grafia do argumento de um oponente na esperança de fazer o debate girar em torno dessas imperfeições em vez de o ponto principal de seu oponente. Não há problema em mencionar esses minutos de passagem, mas apenas se mantivermos o foco diretamente no ponto original.

No primeiro exemplo de Star Wars, Q é uma pista falsa. A superioridade estratégica e tática do Império não é afetada pela presença de Q. Claro, se deixarmos claro que Q é uma pista falsa, nosso oponente mudará rapidamente para o modo de justificação de pista falsa. Ele tentará alegar que Q está em dívida com a Federação de alguma forma e, portanto, cavalgará para o resgate. Mas esta é apenas a segunda parte da falácia da pista falsa: primeiro você introduz a pista falsa e depois a usa para desviar as pessoas do debate original. No segundo exemplo de Star Wars, o poder da Estrela da Morte é estabelecido por uma simples "comparação de estado" termodinâmica. O estado de energia de Alderaan após a explosão é comparado ao estado antes da explosão, e simplesmente pegamos a diferença. É irrelevante comoa Estrela da Morte realiza esse feito, assim como a fusão nuclear era irrelevante quando os cientistas começaram a quantificar a emissão de radiação do Sol; mesmo que eles não soubessem como funcionava, eles ainda podiam descobrir a quantidade de energia que gerava.

No primeiro exemplo da vida real, o fato de todo o universo ser um sistema fechado não significa que uma forma de vida individual seja um sistema fechado, nem tem qualquer relação com o fato de que a Segunda Lei da Termodinâmica não é violada se o nível de entropia cair em uma forma de vida particular (note que este é apenas um de um enormelista de problemas com o argumento idiota da Segunda Lei da Termodinâmica criacionista). No segundo exemplo da vida real, a questão dos direitos de propriedade intelectual do detentor dos direitos autorais é completamente irrelevante para a questão de saber se uma proibição de publicação de informações relacionadas à criptografia de DVD viola a liberdade de expressão. Se o Big Brother decidir que a liberdade de expressão é menos importante do que os direitos de propriedade intelectual e que não há maneira de reduzir a pirataria além de atropelar os direitos constitucionais, então isso pode capacitar o idiota, os legisladores a aplicar a proibição de qualquer maneira, mas essa decisão não tem relação com a questão de saber se a liberdade de expressão foi, de fato, violada.

Slippery Slope
A falácia da ladeira escorregadia se baseia na ideia de que, uma vez que você dê o primeiro passo em um caminho, será inexoravelmente arrastado por esse caminho até chegar a um final inevitável e muito ruim.

"Você não deveria criticar a defesa de Picard dos Ba'ku em STI. Se os Ba'ku fossem movidos à força e seus direitos de propriedade violados, não importa quantos bilhões eles teriam economizado, teria sido imoral. o governo tira os direitos de propriedade, o que vem a seguir? Liberdade de expressão? Direitos civis? Dessa forma reside o totalitarismo, a experimentação humana, a limpeza étnica e a barbárie. "

"Você não deve criticar a Primeira Diretriz. Sim, pode parecer imoral ficar parado enquanto uma civilização inteira é destruída. Mas se intervirmos para impedir um desastre natural, o que vem a seguir? Vamos intervir para impedir as doenças? intervir para parar uma guerra? Será que vamos intervir para 'levar a civilização aos selvagens', como os europeus fizeram em sua fase de expansão sangrenta? Onde você traça a linha? Você sabe aonde essa estrada leva, não é? Imperialismo implacável! "
E na vida real:

"Se você tirar o financiamento federal para as esculturas desse artista de pedófilos molestando crianças, então você está usando o dinheiro do governo para recompensar a preferência por certos tipos de arte. Isso é engenharia social e nos inicia no caminho de um pesadelo orwelliano onde o pensamento a polícia controla nossas vidas. Portanto, você deve dar a este artista dinheiro federal para fazer suas esculturas pedófilas. "

“Se o governo quiser licenciar armas de fogo, então todos sabemos qual é o próximo passo: a polícia vai bater à sua porta para tirar suas armas. Se eles tirarem suas armas, então o próximo passo é tirar as armas longas também. Depois de terem retirado as armas longas, o próximo passo é um estado policial e uma ditadura totalitária. Portanto, não deveria haver licenciamento de armas de fogo. "
Sempre que alguém diz "onde você traça a linha", provavelmente você está lidando com um artista de ladeira escorregadia. Não há nada de errado em escolher um ponto e traçar um limite ali, em vez de criar um falso dilema e nos forçar a escolher entre dois extremos. Se você ainda não tem certeza sobre a encosta escorregadia, clique aqui para obter mais detalhes.

Espantalho
A falácia do Strawman é atacar uma versão distorcida e mais fraca do argumento do seu oponente. Nos casos mais flagrantes, um espantalho é uma fabricação completa que não tem nenhuma semelhança com o argumento em questão. Por exemplo:

"Você parece achar que os navios imperiais seriam completamente invencíveis. Isso só demonstra a natureza extremista e ilógica de seus argumentos. Nenhum navio é invencível, e o fato de você sugerir tal coisa me diz que você é um fanático. "

[Em resposta a uma refutação lógica escrita em um tom insultuoso] "Você é muito bom em insultos, mas é muito mais difícil debater logicamente. Insultando-me em vez de lidar com meu argumento, você essencialmente admirou a derrota."
Na vida real:

"Se as espécies vêm da evolução, então por que nunca vemos uma espécie se transformar em outra? Por que os pássaros não se transformam em gatos, por exemplo? E se a vida veio de reações químicas aleatórias, então como você explica a complexidade de as bactérias mais simples? As chances de até mesmo as bactérias mais simples se formarem a partir de material inanimado são astronômicas! "

"O senador Jones gostaria que reduzíssemos o aumento de gastos do Medicare proposto em 20%. Senhoras e senhores, dificilmente podemos cortar 20% do Medicare! O que sobraria? O que o senador Jones dirá às crianças desfavorecidas da América quando puderem não tomam as vacinas? "
No primeiro exemplo de Star Wars, nosso oponente tenta distorcer "mais poderosas do que as naves da Federação" em "invencíveis", gerando um bom espantalho para sua conveniência. No segundo exemplo, nosso oponente ignora uma refutação lógica porque foi escrita de maneira insultuosa e finge que estamos cometendo uma falácia ad hominem (observe que uma refutação insultuosa, mas lógica, não é uma falácia ad hominem, porque ainda aborda o ponto em vez de ignorar o ponto em favor do homem).

No primeiro exemplo da vida real, o criacionista afirma que a evolução descreve uma espécie se transformando magicamente em outra, embora isso não ocorra. Ele prossegue afirmando que a abiogênese envolveu o aparecimento súbito de uma bactéria totalmente formada, quando o primeiro autorreplicador orgânico teria sido um pequeno pedaço de molécula de RNA, não uma bactéria desenvolvida. No segundo exemplo da vida real, uma redução no tamanho de um aumento é descrita como "redução" do orçamento, o que é uma representação incorreta dos fatos. Um aumento de 20% menor ainda é um aumento! Esse tipo de retórica é muito comum na arena política; aqui no Canadá, temos testemunhado repetidamente o espetáculo absurdo de funcionários públicos gritando que o governo está "roubando" deles, dando-lhes um aumento de salário menor do que o exigido.

Generalização apressada
A generalização apressada é o uso de uma amostra inaceitavelmente pequena como base para uma conclusão sobre a população maior.

"Stormtroopers não podem mirar! Os Stormtroopers na baía de ancoragem ANH erraram Luke Skywalker por uma milha, e eles foram designados para a Estrela da Morte, então eles devem ter sido tropas de elite."

"A Federação encontrou uma maneira de superar a superioridade numérica e tecnológica do Domínio, e até mesmo dos Borg. Portanto, eles são muito bons em superar inimigos mais velhos, maiores e mais avançados, então eles serão capazes de destruir o Império."
E alguns exemplos da vida real:

“Sempre que assisto ao COPS, vejo muitos negros sendo presos. Portanto, os negros são inerentemente propensos a comportamentos criminosos”.

"Eu não sei por que você faz tanto alarido sobre os sinais de parada. Eu tenho dirigido através dos sinais de parada por anos e não tive um acidente ainda."
No primeiro exemplo de Star Wars, a pessoa tenta generalizar cerca de milhões de stormtroopers com base em uma dúzia. O tamanho da amostra é totalmente inadequado, e a conclusão resultante é invalidada pelo fato de que Stormtroopers têm boa precisão em outrospartes da trilogia (o embarque do corredor de bloqueio no início de ANH, os pontos de explosão no sandcrawler Jawa, os acertos em Leia e R2D2 na batalha da floresta Endor. Também ignora a possibilidade (probabilidade?) de que os stormtroopers ANH (e talvez também TESB) estava sob ordens de pastorear e assediar os rebeldes sem matá-los (Vader queria que eles escapassem em ANH com o farol plantado e queria que eles resgatassem Luke em TESB). As "tropas de elite" moraram é outra falácia (salto na lógica, veja abaixo), porque a atribuição da Estrela da Morte não indica necessariamente o status de elite. Na verdade, como a Estrela da Morte tem milhões de soldados e não era esperado que fosse abordada, parece mais provável que o inverso é verdadeiro: as tropas da Estrela da Morte provavelmente nãotropas de elite. No segundo exemplo de Star Wars, a pessoa faz o argumento totalmente absurdo de que, uma vez que a Federação derrotou dois inimigos superiores (o Domínio com muita ajuda, os Borg graças à sua estupidez estonteante), eles devem ser capazes de derrotar todos os inimigos superiores.

No primeiro exemplo da vida real, a pessoa assume que os criminosos que vê no COPS são representativos de toda a raça negra e deve, portanto, indicar algum tipo de tendência criminosa intrínseca (a generalização apressada é a base da maioria das atitudes racistas). No segundo exemplo da vida real (que infelizmente vem de uma pessoa real que conheci), a pessoa assume que uma série de violações bem-sucedidas dos sinais de parada durante um período de vários anos constitui prova de que os sinais de parada sempre podem ser ignorados, mesmo embora fossem, sem dúvida, probabilidades simples e a consciência de outros motoristas que o mantiveram fora do acidente que ele tanto merecia.

Salto na lógica
O salto na lógica salta de A para B, embora não haja ligação entre os dois. Também conhecido como "non sequitur", ou seja, "não segue".

"Vimos que a Federação pode construir centenas de naves estelares, então eles podem obviamente construir estações de batalha destruidoras de planetas do tamanho da lua. Eles simplesmente optam por não fazê-lo, porque eles não são tão guerreiros quanto o Império."

"Os borgs são, sem dúvida, capazes de construir super-armas massivas além de qualquer coisa que o Império já construiu, por causa de sua tecnologia de replicação rápida. Veja como eles podem assimilar rapidamente uma nave estelar!"

"O Borg pode se adaptar a um superlaser da Estrela da Morte porque vimos cubos se adaptarem ao armamento da Enterprise, e vimos drones se adaptarem a phasers manuais."
E alguns exemplos da vida real:

"Durante os últimos cem anos, fizemos alguns avanços incríveis em tecnologia. Portanto, nada é impossível."

"As últimas observações astronômicas indicam que o universo está se expandindo muito rapidamente para desacelerar e contrair por atração gravitacional. Portanto, o universo não está em um ciclo infinito de expansão e contração. Portanto, teve um início. Portanto, deve ter sido criado. Portanto, há um Deus. "

"McDonald's é o restaurante mais popular do mundo. Portanto, é o melhor."
O salto na lógica é surpreendentemente comum, apesar de ser justo, às vezes é o caso de que não é um elo de ligação, mas é tão óbvio para o debatedor que ele não achava que requeria explicação. Por exemplo, alguém que está familiarizado com as ciências do ensino fundamental pode considerar a ligação entre o estresse mecânico e a falha mecânica como evidente (embora alguns não achem óbvio - veja IXJac em minha página do Hate Mail ). No entanto, sempre que a relação de causa e efeito não for óbvia, deve-se explicá-la. No mínimo, é preciso estar preparado para fazer isso se for desafiado, mas é surpreendente quantas pessoas se recusarão a fazê-lo.

Vejamos primeiro os exemplos de Star Wars:

Nosso oponente salta de "construir centenas de pequenas naves estelares" para "construir uma gigantesca estação de batalha para destruir planetas do tamanho da lua". No entanto, a capacidade de construir um objeto pequeno não denota necessariamente a capacidade de construir um objeto arbitrariamente grande! Existem sérios problemas estruturais inerentes a grandes estruturas, e uma estrutura do tamanho da lua apresentaria problemas de engenharia incrivelmente difíceis muito antes de as primeiras vigas serem soldadas no lugar. Pior ainda, a quantidade absoluta de material seria esmagadora e a produção de energia estaria muito além de suas capacidades; a Federação teria que ser capaz de aumentar sua produção industrial e produção de energia de volume específico em milhões de vezes!

Nosso oponente salta de "assimilar rapidamente uma pequena nave estelar" para "construir grandes superarmas de poder apocalíptico". É quase como se ele estivesse dizendo "eles trabalham rápido, então podem fazer qualquer coisa". Qual é a conexão? Não é suficiente simplesmente descrever A e B e então assumir que um leva ao outro; por que devemos fazer essa conexão?

Nosso oponente salta de "adaptar-se às armas de uma única nave" e "adaptar-se ao phaser manual" para "adaptar-se ao superlaser destruidor de planetas com milhões de vezes a potência do Sol". Isso equivale a afirmar que, uma vez que a armadura de um tanque pode sobreviver ao fogo de armas leves e projéteis de certos tipos de artilharia, então deve ser capaz de resistir a um impacto direto de um asteróide enorme em queda.

Agora, vamos examinar os exemplos da vida real:

Nosso oponente salta de “alcançar avanços tecnológicos” para “a onipotência está ao nosso alcance”, o que é tão absurdo que beira a megalomania.

Nosso oponente dá um salto absurdo de "o universo teve um começo" para "deve ter sido criado por Deus". Por que não poderia ter existido sempre , já que o tempo não teria passado antes do Big Bang? Por que não poderia ter sido produzido por processos naturais em algum outro universo? Por que devemos chegar à conclusão de que algum ser senciente e onipotente o criou a partir de seus pensamentos?

Nosso oponente salta da popularidade do McDonald's para a qualidade, embora a popularidade do McDonald's possa muito bem ser devida a uma série de outros fatores (a conveniência sendo o principal deles).

Normalmente, quando confrontados com argumentos como esse, devemos refutá-los meticulosamente (esta é a base da defesa de OJ Simpson; salpique seu oponente com uma horda de argumentos sem suporte para confundir, oprimir e gerar confusão e dúvida). No entanto, não devemos ter que refutar uma conexão entre A e B quando nosso oponente falhou em estabelecer a conexão em primeiro lugar!

Conceito Roubado
A falácia do conceito roubado é o uso de conceitos enquanto rejeita sua lógica de suporte. Com efeito, o debatedor tenta "ter seu bolo e comê-lo", usando e rejeitando simultaneamente um argumento.

"De acordo com o site de Mike Wong, Deja Q prova que um núcleo de dobra da Federação pode gerar pelo menos 30.000 TW. Concordo com seu raciocínio nesse caso, mas quando se trata do poder de fogo da Estrela da Morte, ele está completamente fora de questão. Você não pode aplicar métodos científicos aos efeitos visuais. "


E alguns exemplos da vida real:

"Encontramos amostras de granito em que halos de polônio são visíveis 1. Como os halos só podem se formar em rocha sólida e as meias-vidas de Po-218 e Po-214 combinadas são inferiores a quatro minutos, a rocha deve ter solidificado quase instantaneamente, em vez de resfriar do magma ao longo de milhões de anos, como afirmam os evolucionistas. A única explicação possível é que ele foi criado por meios sobrenaturais por um Ser Supremo. Ele deve ter criado a rocha com inclusões de polônio no lugar, a fim de criar o halos. Isso contradiz de forma conclusiva as técnicas de datação radiométrica de urânio / chumbo que mostram uma escala de tempo geológica de bilhões de anos. "

"As últimas pesquisas em física quântica de campo de ponto zero mostram que é possível fazer uma máquina de movimento perpétuo, e que a primeira lei da termodinâmica não se aplica ao domínio quântico."
A falácia do conceito roubado é particularmente irritante porque revela uma mentalidade fundamentalmente desonesta. A pessoa que usa esse tipo de argumento não está interessada em construir argumentos logicamente autoconsistentes ou conduzir investigações sérias; ele simplesmente pega e escolhe pedaços de vários argumentos contraditórios e os monta como tijolos incompatíveis, com nada além de floreios retóricos e fervor quase religioso para mantê-los juntos.

Vejamos primeiro os exemplos de Star Wars:

Minha análise de Deja Q é baseada na aplicação de princípios científicos aos efeitos visuais daquele episódio específico. Ele aceita a conclusão, mas dá meia-volta e rejeita categoricamente o método subjacente porque ele produz resultados que o incomodam quando aplicado à Estrela da Morte.

Ao longo de vários anos, eu nunca uma vez encontrou um membro da "ciência não se aplica a sci-fi" multidão Trekkie que consistentemente aplicados que a filosofia (ou forneceu uma justificação válida para isso, uma vez que seus argumentos contra a ciência na ficção -fi são idênticos aos falaciosos argumentos criacionistas contra a ciência na vida real). Eles estão perfeitamente satisfeitos em aplicar E = mc² ao rendimento de uma explosão de antimatéria, os efeitos do calor e estresse a falhas estruturais, os princípios de calor específico e conservação de massa / energia para a necessidade de trabalho para fundir metal, etc., mas eles mudam e negam todos esses conceitos quando produzem resultados que os incomodam.

Agora, vamos examinar os exemplos da vida real:

Alguém poderia ficar azul ao listar os erros no argumento do "halo de polônio". Não consegue afirmar sua suposição oculta (que todos os granitos da Terra se formaram ao mesmo tempo que a Terra), emprega um salto falacioso na lógica de "mistério não resolvido" para "criação sobrenatural", trata da geologia e da teoria da evolução como um conceito conjunto, e contém não um, mas dois exemplos da falácia do conceito roubado. O primeiro exemplo da falácia do conceito roubado ocorre quando ele emprega vários princípios da física nuclear, ao mesmo tempo que rejeita o método científico que foi usado para derivar esses princípios 2 (propondo uma hipótese sem capacidades preditivas genuínas). A segunda instância da falácia do conceito roubado ocorre quando ele emprega um subconjunto dos métodos de datação radiométrica de urânio / chumbo (chegando mesmo a usar a mesma cadeia de decaimento!) Para "provar" que a Terra é jovem e que os métodos de datação radiométrica de urânio / chumbo estão errados. A pessoa que apresenta esse argumento não faz nenhum esforço para ser consistente; se a datação radiométrica de urânio / chumbo está conceitualmente errada, ele não pode usá-la para "provar" que a Terra é jovem. Se, por outro lado, for conceitualmente válido, então ele deve encontrar uma maneira de racionalizar os halos de polônio com a escala de tempo geológica. Isso não é difícil de fazer, uma vez que os halos de polônio são encontrados apenas em regiões muito específicas (coincidentemente perto de depósitos de urânio),pode se formar por meio da composição, em vez da solidificação do magma. No entanto, ele não pode simultaneamente argumentar que o método não funciona e depois usá-lo descaradamente para gerar suas próprias "provas"!

As teorias de campo de ponto zero incorporam a conservação de massa / energia como premissa. Portanto, é impossível usar essas teorias, a fim de conservação refutar de massa / energia, uma vez que iria desmentir -se no processo! Se pudesse ser mostrado que as teorias do ponto zero permitem violações da termodinâmica, isso significaria apenas que as teorias do ponto zero são logicamente inconsistentes ou que foram mal interpretadas.

A falácia do conceito roubado é amada por pseudocientistas de todo o mundo, pois basicamente resume toda a sua mentalidade. O fato de ser uma falácia é completamente perdido para eles, mas qualquer pessoa que usaria descaradamente um conceito enquanto rejeita sua base obviamente não está interessado em evitar falácias.


Perdeu a manhã inteira fazendo isso:

Tipos de falácias 1382bb67a4b2d9b96f005bd707826b0a

like pelo empenho.

descriptionTipos de falácias EmptyRe: Tipos de falácias

more_horiz
AS CONQUISTAS ALI DO PERFIL DEVEM FICAR AQUI!
@Kage Justsu

Dotonuser tem trauma sim, eu sei disso, rsrs! Atente-se no que eu vou te dizer, o Mikeias jamais disse para o Doton que Kaguya solava o Zeno'o em um combate 1v1. Você não tem provas suficiente para expôr isso.

Eu também acho, Itachi edo pode invocar um exército de clones... Acredito que a energia desses clones será MINIMAMENTE em pé de igualdade com 'Guy 8 gates'. Eu tenho base suficiente para afirmar isso.  Tipos de falácias 3018764561

"Madara nível estrela"
~Dotomongo
Ashuahsuahuehausheuausheu
:vaimore:

Ué, se Goku tem velocidade imensurável, em teoria ele teria velocidade infinita. Você é bem burrinho pra zuar com algo que você não sabe o que é, rsrsrsrsrsrsr

Praticamente tudo! Conceitos de velocidade aplicados no verso e ademais coisas eram usados constantemente. Se aconteceu ou não, o fato é que continua sendo Incoerência dentro do verso! É por isso que é inconsistência, por que ocorreu, burrinho.

Acompanhar raio não é feito FTL, e acompanhar uma luz de energia também não. Porém, independentemente do que você considera, eu posso explicar e aplicar os métodos que você quer PROPOR no debate e afirmar que Goku base no 'Z' já era FTL.
Se o que acontece é sempre verdade, o Goku kid com PDL BAIXÍSSIMO já era FTL' porque desviou de um laser projetado por um robô.

Não é possível calcular um feito sem se basear no mangá, intelijegue.  :lala:
Não foi o Mikeias que apresentou um cálculo para provar a constatação que explicava a velocidade do Kirin no MANGÁ, e mesmo assim o mongolóide bateu o pé dizendo que tudo era mentira e que o raio era relativístico
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Se ele ousar debater novamente com o Mikeias vai apanhar de novo e apelar Ad Nauseum como sempre fez! Hehehe, até o estoque de falácias daquela criatura acaba, bicho burro.
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum